Crónica de jogo

Benfica continua líder mas perdeu a vantagem

“Encarnados” empataram em casa com o Belenenses SAD, depois de terem estado a vencer por 2-0. Ao décimo jogo no campeonato sob as ordens de Bruno Lage, o Benfica perdeu pontos

Fotogaleria
LUSA/JOSE SENA GOULAO
Fotogaleria
LUSA/JOSE SENA GOULAO
Fotogaleria
LUSA/JOSE SENA GOULAO
Fotogaleria
LUSA/JOSE SENA GOULAO
Fotogaleria
LUSA/JOSE SENA GOULAO

O Benfica teve o pássaro na mão mas deixou-o fugir, permitindo que uma vantagem de 2-0 acabasse transformada num 2-2. Dois erros defensivos, em três minutos, ditaram o empate na recepção ao Belenenses SAD, na primeira vez que os “encarnados” perderam pontos no campeonato desde que são orientados por Bruno Lage (ao décimo jogo). O ponto somado mantém o Benfica na liderança da I Liga, mas agora em igualdade pontual com o FC Porto – só o confronto directo dá vantagem ao emblema da Luz.

Terá sido deslumbramento? Terá sido cansaço? Terá sido o símbolo novo do adversário (apresentado antes do jogo, na sequência do acórdão do Tribunal da Relação que confirmou a decisão do Tribunal de Propriedade Intelectual e impediu o Belenenses SAD de utilizar o emblema, o hino e o lema do Belenenses) que provocou confusão? O Benfica não teve uma noite fácil no regresso a casa, após a derrota em Zagreb na primeira mão dos oitavos-de-final da Liga Europa. Perante um Belenenses SAD que deu boa réplica, os “encarnados” conseguiram construir uma vantagem de dois golos no início da segunda parte. Mas deixaram-na escapar em dois erros clamorosos: primeiro de Vlachodimos, a fiar-se no golpe de vista e a deixar entrar um livre directo, e depois de Rúben Dias, a deixar um atraso para o guarda-redes demasiado curto e à mercê de Kikas, que não desperdiçou.

Com cinco mudanças no “onze” em relação ao jogo anterior, o Benfica entrou bem e demorou pouco tempo a ameaçar: Samaris ganhou a bola e entregou-a a Rafa, que rematou a rasar o poste da baliza de Muriel. Os “encarnados” queixaram-se de um penálti por assinalar aos 10’, numa bola cruzada por André Almeida que bateu no joelho de Zakarya e depois ressaltou no braço, mas João Capela mandou seguir. Era uma noite desinspirada do Benfica, que abusou dos remates por cima da baliza adversária – e viu João Félix,  apagado, falhar aos 34’: após livre de Pizzi na direita, André Almeida desviou de cabeça mas o jovem não conseguiu controlar e o perigo passou.

Os visitantes não se limitaram a defender. Com um novo símbolo na camisola, a equipa de Silas deu réplica ao Benfica após ter sido a primeira equipa a derrotar os “encarnados” no campeonato, na primeira volta. Os visitantes resistiram à pressão intensa da equipa de Bruno Lage, não abdicaram de iniciar a construção das suas jogadas desde o sector mais recuado, e num par de vezes ameaçaram a baliza de Vlachodimos. Diogo Viana surgiu aos 8’ em posição perigosa a corresponder ao passe de Lucca na esquerda, mas o remate errou completamente o alvo.

A segunda parte seria mais aberta e o marcador não tardou a funcionar. Jonas, titular pela primeira vez desde o início de Janeiro, colocou o Benfica em vantagem na primeira ocasião em que a defesa do Belenenses SAD lhe deu espaço. O brasileiro mostrou a sua classe com dois toques de pé direito: o primeiro para receber a bola, o segundo para atirá-la para o fundo da baliza de Muriel. Empolgado, o Benfica continuou em cima do adversário e chegou ao 2-0 num remate de Samaris à entrada da área que sofreu um ligeiro desvio em Nuno Coelho, pressionado por André Almeida. Jonas estava adiantado e poderia ter tido influência no lance, mas João Capela validou o golo após confirmação com o videoárbitro.

O pássaro estava na mão, mas ia escapar. A recuperação da equipa de Silas começou num livre aparentemente inofensivo de Diogo Viana e terminou numa finalização precisa de Kikas. Com mais coração do que cabeça, o Benfica ainda tentou evitar o primeiro deslize na Liga sob as ordens de Bruno Lage, mas esbarrou numa solidez defensiva digna da Torre de Belém.