Os primeiros são cada vez mais primeiros

Em Portugal, como nos principais campeonatos de futebol europeus, o domínio das equipas de topo sobre as restantes tem vindo a acentuar-se desde o início do século. O acesso às receitas das competições europeias é um factor importante na manutenção e agravamento deste desequilíbrio

Foto
O futebol português está mais desequilibrado Nuno Ferreira Santos

Como é uma época típica no campeonato português de futebol? Há três emblemas assumidamente candidatos ao título de campeão nacional e que terminarão a prova mais ou menos próximos uns dos outros; poderá haver um clube que supera as expectativas e fica relativamente perto desses três; segue-se um pelotão de dimensão variável com equipas de qualidade média (demasiado fortes para caírem na luta da despromoção, mas não tão fortes para andarem na luta pelos lugares que dão acesso às competições europeias); e, na cauda da classificação, um grupo de emblemas condenado a lutar para sobreviver mais um ano no principal escalão.

Historicamente, e excluindo as surpresas que podem acontecer ou épocas menos conseguidas de uma ou outra equipa, tem sido isto. A tendência será para as diferenças se acentuarem: desde o início do século, 12 dos 18 campeonatos disputados tiveram as mesmas três equipas no top-3 – o FC Porto não falhou a presença no pódio durante este período, e o Benfica esteve ausente em três ocasiões, assim como o Sporting. A última equipa a furar a hegemonia dos três ditos “grandes” do futebol português foi o Paços de Ferreira, terceiro classificado em 2012-13 com 54 pontos (a 24 do primeiro), e que actualmente até luta para regressar à I Liga.

Em 84 edições do campeonato nacional, apenas duas (2,4%) tiveram outro vencedor que não o Benfica (36 títulos), o FC Porto (28) ou o Sporting (18) – e curiosamente uma delas até aconteceu no início deste século, quando o Boavista se sagrou campeão. O facto de haver apenas cinco clubes vencedores da Liga portuguesa diz muito da competitividade da prova.

Desde 2000 houve campeonatos disputados até à última jornada, em que um ponto separou o primeiro do segundo, mas também houve edições em que essa diferença se cifrou em 20 pontos (2007-08) e até 21 pontos (2010-11). São as maiores desvantagens pontuais do segundo face ao primeiro, desde o início do século, e ambas ocorreram em campeonatos reduzidos a 16 equipas, como foi o caso entre 2006-07 e 2013-14.

A diferença média entre os pontos conquistados pelo primeiro e último classificados nas 18 edições analisadas situa-se em 55,7, com um máximo de 65 (2003-04) e um mínimo de 35 (2004-05). O campeão nacional somou, em média 78,2 pontos, mas fazendo o cálculo separadamente para as edições a 18 e a 16 equipas chega-se a uma conclusão paradoxal. Enquanto nos campeonatos com mais participantes o primeiro somou em média 80,7 pontos (79% do máximo de pontos), nas edições reduzidas a média situou-se nos 75,1 pontos, o que significa praticamente 83,5% do máximo de pontos possível.

Já no extremo oposto da tabela a diferença entre 18 ou 16 equipas não se faz sentir. No período em análise o último classificado teve em média 22,5 pontos. A média foi de 23,7 pontos nas edições com 18 participantes e 21 pontos naquelas disputadas por 16 equipas. Em ambos os casos, esse valor equivale a 23% do total de pontos em disputa.

O dinheiro como explicação

O campeonato português ainda não atingiu o nível de monotonia do alemão (o Bayern Munique leva seis títulos consecutivos), do francês (cinco dos últimos seis títulos para o Paris Saint-Germain, que caminha a passos largos para mais uma conquista), ou do italiano (a Juventus é campeã há sete anos consecutivos e, com 16 pontos de vantagem, prepara-se para renovar o título), mas o domínio histórico dos três “grandes” – e, em particular nos últimos 16 anos, de FC Porto (dez campeonatos) e Benfica (seis) – anda muito longe de estar sob ameaça.

A explicação para isso prende-se com razões financeiras: mais dinheiro compra melhores jogadores, que por sua vez garantem melhores classificações desportivas, que dão acesso às cada ano mais lucrativas competições europeias. Um ciclo que se repete e reforça, dado o crescimento extraordinário que os prémios pagos pela UEFA têm registado.

Desde 2003-04 até à temporada passada, de acordo com os relatórios financeiros disponíveis no site do organismo que tutela o futebol europeu, foram distribuídos mais de 15.500 milhões de euros pelos clubes que participaram nas provas organizadas pela UEFA. Juntando-lhe os montantes previstos para a época que está em curso, esse valor ultrapassará os 18.000 milhões nestes 15 anos. A isto, em Portugal, junta-se ainda a questão dos direitos televisivos, negociados individualmente pelos clubes, com os três “grandes” a conseguirem acordos muito mais vantajosos do que os restantes emblemas.

A dimensão dos cheques europeus, que tem aumentado todas as épocas (em algumas delas acima dos 30%), vai aprofundando as disparidades entre a elite e os restantes clubes. Tanto na Liga dos Campeões e Liga Europa, como nos campeonatos nacionais. Desde a temporada 2011-12, quando os prémios da UEFA ultrapassaram pela primeira vez a fasquia dos 1000 milhões, a média da diferença pontual entre o primeiro e o último classificados aumentou em Portugal: do início do século até 2010-11 estava nos 54,3, mas desde então dilatou-se para 58.

O mesmo se passa nos principais campeonatos europeus. Em Inglaterra a diferença pontual média entre o primeiro e o último da Premier League passou de 62 para 63,3. Em Itália cresceu de 58,2 para 69 – o mesmo valor que tem vindo a verificar-se na Liga espanhola, onde no período do início do século até 2010-11 a diferença média era de 52,9 pontos. O fosso entre primeiro e último acentuou-se particularmente em França (a diferença média passou de 48 para 61,1 pontos) e na Bundesliga, onde disparou de 46,5 para 60,4 pontos.

É mais um indicador do crescente desequilíbrio no futebol europeu. Um estudo sobre o futebol europeu realizado pelo Observatório do Futebol entre 2008-09 e 2017-18 mostrava que os clubes estão a conquistar títulos com mais pontos e as vitórias acontecem com maior diferença de golos. E colocava a Liga portuguesa como o campeonato mais desequilibrado entre as 24 competições analisadas.

Num documento apresentado no mês passado, a UEFA elege a competitividade como um dos quatro pilares da estratégia para o futebol no período de 2019 a 2024. “Isto implica que todas as organizações trabalhem em conjunto, resistindo àquilo que possam parecer caminhos comerciais mais tentadores, que em última análise poderão levar a maiores restrições na abertura e solidariedade do futebol”, sublinhava o presidente da UEFA, Aleksander Ceferin, numa referência evidente à reiterada pretensão dos maiores clubes de lançar uma Superliga europeia.