Uma casa dinâmica para “dar liberdade” a uma família

António Ataíde
Fotogaleria
António Ataíde

Quando os Sizaret procuravam uma nova casa em Portugal, já “sabiam o que queriam”. A família franco-alemã, composta por um casal e três filhos, encontrou um lote em Leça da Palmeira propício a albergar a casa que imaginavam. André Camelo foi o arquitecto responsável pelo projecto, que arrancou em 2016 e foi concluído em 2018, apoiando-se num diálogo constante com a família para conceber uma casa que se adaptasse às necessidades dos Sizaret.

Para o arquitecto de 43 anos, foi este diálogo que moldou o processo até alcançar a casa que vemos hoje na Rua dos Heróis de África. Habituada a projectos do género, Nicole Sizaret partilhou aspectos que gostaria de ter na nova casa. Para ela, o importante era um edifício que atendesse às sensações. “Houve grande abertura da parte deles”, refere o arquitecto, que viu neste projecto um maior contacto com o cliente do que noutros trabalhos.

Segundo André Camelo, a “fluidez e a sobriedade” da casa dão vida ao edifício e distinguem-no dos restantes da rua onde se insere. O arquitecto pensou os quartos, escritório, pátio, entrada, jardim e demais espaços para dar liberdade à família. Estes dois conceitos surgem associados à luz e à escala para dar aos Sizaret um “espaço aberto” que estabeleça uma relação entre o interior e o exterior. A casa, descreve o arquitecto, adapta-se ao estado de espírito de cada um dos membros da família, que podem facilmente saltar de um espaço soalheiro para um mais sombrio. “Não é uma casa monocórdica”, diz — até pelo uso de materias diversos, desde a madeira ao betão e ao aço.

Onde agora reside a família Sizaret encontrava-se antes uma casa com mais de 80 anos que não resistiu ao passar do tempo. Para o arquitecto, “houve um aproveitamento significativo” da casa abandonada, mas vários aspectos do edifício dos anos 30 tiveram de ser completamente modificados, com destaque para a disposição e para a extensão do próprio espaço.

A Consultoria em Reabilitação, Engenharia e Arquitetura (CREA), responsável pela reabilitação, foi premiada em 2017 pelo trabalho no Instituto Araújo Porto. A Casa Heróis de África foi considerada uma das 100 melhores casas de 2018 pela plataforma Archdaily Brasil e foi mencionada no jornal online do The American Institute of Architects.

António Ataíde
António Ataíde
António Ataíde
António Ataíde
António Ataíde
António Ataíde
António Ataíde
António Ataíde
António Ataíde
António Ataíde
António Ataíde