Filme chinês Last Sunrise, de Wen Ren, vence grande prémio do Fantasporto

O filme vencedor do grande prémio da edição deste ano do festival é "um dos primeiros filmes de ficção científica produzidos na China, com grandes interpretações e efeitos especiais".

Foto
Last Sunrise dr

A longa-metragem Last Sunrise, a primeira do realizador chinês Wen Ren e em antestreia mundial no Fantasporto 2019, venceu a 39.ª edição daquele festival de cinema, que premiou ainda filmes da Índia, Coreia, Austrália, Hungria e Filipinas, foi este sábado anunciado.

Em comunicado, o Fantasporto - Festival Internacional de Cinema do Porto informou que o prémio destinado à melhor realização foi para o cineasta britânico Julian Richards, "pelo conjunto de dois filmes que apresentou nesta secção" (Reborn e Daddy's Girl), num "facto inédito" no festival, onde "nunca antes um realizador teve dois filmes a concurso, ambos em antestreia internacional".

Segundo a organização, o filme vencedor do grande prémio da edição deste ano do festival, Last Sunrise, é "um dos primeiros filmes de ficção científica produzidos na China, com grandes interpretações e efeitos especiais", no qual "o astrónomo Sun Yang e a sua jovem assistente Chen Mu descobrem um mundo gelado onde projectam o futuro da humanidade depois de o sol desaparecer".

O prémio especial do júri da secção oficial de cinema fantástico foi para In Fabric, do realizador britânico Peter Strickland (de Berberian Sound Studio, premiado no Fantasporto 2012), pelo seu "alto nível de originalidade", tendo ainda sido atribuído nesta secção uma menção especial ao filme americano The Fare, de D. C. Hamilton.

O prémio para o melhor argumento foi para Rodrigo Aragão, argumentista e realizador do filme brasileiro A Mata Negra, e o prémio para melhor actor foi entregue a Christopher Rygh, pelo seu desempenho no filme The Head Hunter, uma produção norte-americana "que conta com uma forte componente lusa" e que venceu também o prémio para melhor filme na secção de cinema português.

Já a australiana Georgia Chara foi considerada a melhor actriz pela sua actuação em Living Space, do seu compatriota Steven Spiel, o filme húngaro His Master's Voice, de György Pálfy, obteve o prémio destinado à melhor fotografia e efeitos visuais e o prémio para a melhor curta-metragem fantástica foi para o filme israelita My First Time, de Asaf Livni.

Na Semana dos Realizadores, o vencedor do prémio de melhor filme foi Werewolf, do realizador polaco Adrian Panek, um filme sobre "um grupo de crianças libertadas de um campo de concentração nazi no fim da II Guerra Mundial que encontra abrigo numa mansão abandonada e ali fica encurralado, cercado por uma matilha de cães-de-guarda fugidos desse mesmo campo".

O prémio especial do júri nesta competição foi para o filme filipino Waiting for Sunset, a primeira longa-metragem de Carlo Catu (argumentista de Laut, filme apresentado no Fantasporto em 2018) e já distinguida como melhor filme no Cinemalaya Independent Film Festival.

Este filme obteve também o prémio para melhor actor, com Dante Rivero a ver reconhecido o seu desempenho, enquanto o prémio para o melhor realizador desta secção foi atribuído à cineasta americana Christina Choe, pelo trabalho feito na sua primeira longa-metragem, Nancy.

O prémio para melhor argumento foi ganho por Balint Hegedûs e Károly Uji Mészáros, pelo filme X - The eXploited (Hungria), e o galardão para melhor actriz foi atribuído ex-aequo às actrizes filipinas, Ai-Ai de las Alas, pela sua actuação em School Service, e Ina Raymundo, pelo desempenho em Kuya Wes.

Na secção Orient Express, o vencedor foi o filme sul-coreano The Withc: Part 1 - The Subversion, de Hoon-Jong Park (o argumentista de I Saw The Devil, que ganhou o Orient Express em 2011), e o prémio especial do júri foi entregue a School Service, de Louie Lagdameo Ignacio.

Já o prémio do público distinguiu o documentário americano The Panama Papers, do realizador britânico Alex Winter, enquanto o prémio da crítica foi para o filme indiano Painting Life, de Biju Kumar Damodaran.

No âmbito do prémio cinema português - atribuído à produção norte-americana The Head Hunter, que sob direcção de Jordan Downey "envolveu uma ampla equipa portuguesa e foi filmada no Nordeste de Portugal, na zona de Bragança" - a Escola de Tecnologias Inovação e Criação (ETIC), de Lisboa, venceu o Concurso Entre Escolas, tendo a menção especial-criatividade sido dada ao filme Cinzas, de Célia Fraga, da Escola Superior Artística do Porto.

A 39.ª edição do Fantasporto termina neste domingo e tem hoje a sessão de encerramento, com a exibição do filme vencedor do grande prémio, Last Sunrise, antecedido pela melhor curta-metragem fantástica My First Time.

Sugerir correcção