Quantas horas dorme? Menos de seis horas é a resposta de 46% dos inquiridos num estudo sobre sono

Não é uma amostra representativa de toda a população mas dá pistas sobre a qualidade do sono de muitos portugueses. Em 653 adultos inquiridos, 46% revelaram dormir menos de 6 horas por dia e 21% disseram levar mais de 30 minutos a adormecer. Especialistas alertam para os riscos da falta de sono para a saúde.

Foto
DR/Sociedade Portuguesa de Pneumologia

Quase metade dos adultos em Portugal com idade igual ou superior a 25 anos dorme menos de 6 horas por dia e 32% dormem mal. Estes são alguns dos resultados de um inquérito realizado a 653 portugueses no âmbito do Dia Mundial do Sono, que se assinala a 15 de Março.

Segundo os especialistas, que destacam o efeito negativo que os jogos, a televisão e as redes sociais podem ter nas horas e qualidade de sono, a privação do sono pode aumentar o risco de acidentes na estrada e de erros no trabalho. Cerca de 40% dos inquiridos dizem ter dificuldade em manter-se acordados durante o dia em actividades diversas, por exemplo, enquanto conduzem.

“Apesar da crescente divulgação de informação sobre a importância do sono e das doenças relacionadas com o sono, a maioria dos portugueses mantém maus hábitos de higiene do sono e não lhe atribui a mesma importância do que a uma nutrição saudável ou a prática de exercício físico regular”, explicam, em comunicado, Susana Sousa e Sílvia Correia, pneumologistas e porta-vozes da Comissão de Trabalho de Patologia Respiratória do Sono da Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP).

Em parceria com a Sociedade Portuguesa de Medicina do Trabalho (SPMT), a SPP tem vindo a estudar os hábitos de sono dos portugueses. Nesse sentido, foi disponibilizado um inquérito online, ao qual responderam 653 pessoas com idade igual ou superior a 25 anos. A idade mínima dos inquiridos é de 25 anos e a máxima de 70 anos, com a média etária a situar-se nos 36 anos, o que significa que esta é uma amostra maioritariamente jovem. Mais de metade dos inquiridos (cerca de 330) tem menos de 30 anos, diz a investigadora Susana Sousa.

DR
DR
DR
Fotogaleria
DR

“Apesar de poder considerar-se [uma amostra] não representativa da população portuguesa, sabemos que os distúrbios do sono se agravam com a idade, ou seja, se incluíssemos uma população com média etária superior, os valores seriam ainda mais graves relativamente à quantidade e qualidade do sono”, acrescenta Susana Sousa ao PÚBLICO.

Os resultados mostram que 46% dos inquiridos dormem 6 horas ou menos por noite e que 21% sofrem de insónia inicial, demorando mais de meia hora para adormecer. Um em cada três (32%) classifica o seu sono como “razoavelmente mau” ou “mau” e 40% recordam pelo menos um episódio, no último mês, em que sentiram dificuldade para se manterem acordados enquanto conduziam, durante as refeições ou outras actividades diárias. O que leva Susana Sousa e Sílvia Correia a concluírem que “os portugueses dormem mal e isso pode trazer consequências potencialmente graves para a saúde”, explicam em comunicado.

A falta de sono pode ainda levar à perda de memória, aumento da sonolência, défice de concentração, irritabilidade e alterações do humor. Além disso, “a sonolência associada a esta má higiene do sono aumenta o risco de acidentes de viação e de acidentes de trabalho” e pode ter ainda impacto ao nível cardíaco. “Se o número de horas de sono for inferior ou igual a cinco horas, o risco cardiovascular também aumenta”, acrescentam as especialistas.

“É necessário programar o tempo de sono suficiente antes do trabalho. Os jogos, televisão, Internet e redes sociais também são dependências crescentes nos trabalhadores portugueses, com grande prejuízo das horas e qualidade de sono. Ir trabalhar com sonolência, além de não ser saudável, provoca erros, incompetência e mal-estar no trabalho”, salienta ainda, em comunicado, o presidente da SPMT, Jorge Barroso Dias.

“Põe o teu sono na agenda” é o lema da campanha da Comissão de Trabalho de Patologia Respiratória do Sono que pretende alertar a população portuguesa para a importância de “um sono em quantidade e qualidade” e para as consequências que a falta de sono pode ter na saúde