Galiza a recrutar médicos portugueses. E quase lhes duplica o ordenado

Depois da Irlanda, Inglaterra e França, também a Espanha recruta médicos portugueses. A região espanhola oferece quase 4400 euros mensais brutos, cerca 1600 euros a mais do que ganha um médico em início de carreira em Portugal.

Vários países lançam anúncios de recrutamento em Portugal
Foto
Vários países lançam anúncios de recrutamento em Portugal Nelson Garrido

A Comunidade Autónoma da Galiza (Espanha) quer contratar médicos portugueses, sobretudo pediatras e médicos de família, para reforçar os centros de saúde locais. Mas não são os únicos. Na bolsa de emprego da Ordem dos Médicos há anúncios de vagas na Irlanda, Inglaterra e França – países que recorrentemente procuram médicos em Portugal.

Os contratos, avança o Jornal de Notícias esta quinta-feira, terão uma duração mínima de um ano e um máximo de três. Oferecem 4390 euros brutos mensais, segundo o jornal. Um médico em Portugal em início de carreira, em 40 horas semanais, ganha 2746 euros brutos, segundo a tabela da Administração Central do Sistema de Saúde.

O Serviço Galego de Saúde oferece as mesmas condições que aos médicos espanhóis: salário igual, horário semanal idêntico e as mesmas licenças e um mês de férias. São mais cerca de 1600 euros por mês que estão a deixar a Ordem dos Médicos preocupada. A atractividade destas condições pode levar médicos a optar por sair do país.

Ao Jornal de Notícias o bastonário, Miguel Guimarães, lembra que o Serviço Nacional de Saúde “já não tem capacidade de responder a todos os portugueses” e teme que a oferta represente uma ameaça. Actualmente existem cerca de 680 mil pessoas sem médico de família atribuído.

Também o presidente do colégio de pediatria da Ordem dos Médicos se mostrou receoso, referindo ao Jornal de Notícias que o salário oferecido — 61.500 euros brutos anuais — “contrasta imenso” com as condições em Portugal e alude a um cenário de “sangria contínua”. O presidente da Associação de Medicina Geral e Familiar, Rui Nogueira, reforçou igualmente que “fica difícil cativar colegas para ingressarem na carreira médica sem outros motivos de atracção”.

Cobiçados no estrangeiro

Se na Galiza, refere o jornal, é a primeira vez que procuram contratar médicos em Portugal, para muitos outros países esta já é uma prática corrente. Irlanda, Inglaterra ou França são alguns dos exemplos. Além dos anúncios feitos através da redes sociais, na bolsa de emprego da Ordem dos Médicos é possível encontrar várias propostas de trabalho nestes países.

Procuram médicos de várias especialidades com condições superiores às oferecidas pelo Serviço Nacional de Saúde. Já são quatro as ofertas lançadas desde o início do ano a recrutar para o estrangeiro.

A mais recente, com data de 25 de Fevereiro, é para a Irlanda. Pede-se médicos de família e oferece-se salários que variam entre os 2160 euros e os 3500 euros brutos por semana. Os clínicos têm de ter dois anos de experiência.

No início do mês, era um hospital francês que anunciava o recrutamento de geriatras, neurologistas e médicos de clínica geral. Não especificavam as condições salariais, referiam apenas a possibilidade de alojamento nos primeiros três meses.

No início do ano, a 9 de Janeiro, foi colocada na bolsa de emprego da Ordem dos Médicos um anúncio de recrutamento de médicos de família para o serviço nacional de saúde inglês. O salário oferecido varia entre as 70 mil libras (81.750 euros) e as 90 mil libras (105 mil euros) anuais. O anúncio salientava que o contrato não sofrerá alterações com o “Brexit”.