Será que os doentes com lúpus têm uma maior permeabilidade intestinal?

As cientistas Diana Madeira, Joana Cabral, Joana Caldeira e Patrícia Costa Reis são as vencedoras das Medalhas de Honra L’Oréal Portugal deste ano e cada uma vai receber 15 mil euros.

Foto
Cada investigadora receberá 15 mil euros Maria João Gala

Eis as vencedoras da 15.ª edição das Medalhas de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência: Diana Madeira procura perceber o modo como organismos marinhos estão a responder às alterações climáticas ao longo de várias gerações; Joana Cabral quer representar matematicamente as redes funcionais em que se organiza o cérebro saudável e entender por que se encontram alteradas em doentes neurológicos; já Joana Caldeira vai usar a tecnologia de edição genética CRISPR para regenerar discos intervertebrais; e Patrícia Costa Reis pretende compreender se os doentes com lúpus têm maior permeabilidade intestinal. A cerimónia para entrega do prémio é esta quarta-feira no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa.

Estas quatro vencedoras – todas doutoradas e com idades entre os 30 e os 36 anos – foram escolhidas entre mais de 70 candidatas e por um júri presidido por Alexandre Quintanilha. “Este prémio reconhece o mérito e a importância dessas jovens cientistas e serve de incentivo para fazerem ciência com qualidade”, assinala Cátia Martins, directora da L’Oréal Portugal, num comunicado sobre o prémio. Ao todo, desde que a distinção começou a ser atribuída há 15 anos, já foram premiadas 49 cientistas.

O principal objectivo de Diana Madeira (do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar da Universidade de Aveiro) é perceber o modo como organismos marinhos estão a responder às alterações climáticas e à poluição ao longo de várias gerações. Mais precisamente, a investigadora de 30 anos quer saber quais são os mecanismos moleculares e celulares usados pelos invertebrados marinhos (nomeadamente poliquetas – minhocas marinhas) para responder às pressões ambientais. Além disso, pretende desvendar de que forma esses mecanismos se relacionam com a capacidade de sobrevivência ou sucesso reprodutivo dos organismos.

PÚBLICO -
Foto
Diana Madeira DR

Neste momento, já concluiu a fase de simulação das alterações climáticas e vai iniciar o estudo molecular. “Com este estudo podemos ter uma ideia sobre a vulnerabilidade dos organismos numa escala de tempo mais alargada e adaptar os planos de conservação de modo a promover a sustentabilidade ambiental a longo prazo”, assinala ao PÚBLICO Diana Madeira.

A pergunta de partida de Joana Cabral (do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde da Universidade do Minho, em Braga) é: será possível representar matematicamente as redes funcionais em que se organiza o cérebro humano saudável e entender por que se encontram alteradas em doentes neurológicos e psiquiátricos? Para tal, irá construir um modelo teórico unificador que represente os mecanismos biofísicos que guiam a actividade cerebral.

PÚBLICO -
Foto
Joana Cabral DR

A investigadora de 35 anos usará modelos matemáticos que representem o comportamento dos “sistemas dinâmicos acoplados” (equações que descrevem o comportamento colectivo de milhões de neurónios interligados) e irá aplicá-los ao conectoma estrutural (mapa de ligações neuronais no cérebro). Depois, fará outro teste: “Quero verificar se os padrões de actividade cerebral aparentemente distintos, registados com electroencefalografia (EEG) e fMRI [ressonância magnética funcional], são expressões diferentes da dinâmica subjacente da rede cerebral”, adianta a cientista no comunicado. E, para validar o seu modelo, irá comparar os resultados das simulações teóricas com a actividade cerebral registada através de fMRI e EEG em participantes saudáveis.

PÚBLICO -
Foto
Joana Caldeira DR

CRISPR e células estaminais

No Porto, Joana Caldeira (do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde) pretende regenerar os discos intervertebrais através de um processo que conjuga a CRISPR e as terapias com células estaminais. “Com esta tecnologia revolucionária [a CRISPR] poderemos criar uma envolvente acolhedora para as células estaminais utilizadas nas terapias de regeneração do disco, o que promoverá o seu alojamento e sobrevivência no local pretendido”, explica a cientista de 35 anos no comunicado.

Além de criar as bases para os ensaios clínicos, espera-se que os resultados desta investigação influenciem a primeira terapia regenerativa do disco intervertebral baseada na CRISPR. Como a dor lombar (provocada pela degeneração dos discos intervertebrais) tem um elevado impacto socioeconómico – devido aos custos terapêuticos ou à incapacidade que causa –, um tratamento eficaz poderá beneficiar milhões de pessoas.  

PÚBLICO -
Foto
Patrícia Costa Reis DR

Já em Lisboa, Patrícia Costa Reis (do Instituto de Medicina Molecular) quer compreender se os doentes com lúpus – doença auto-imune, resultante de um desequilíbrio do sistema imunitário – têm uma maior permeabilidade intestinal. E porquê esta hipótese? Porque essa permeabilidade pode ser responsável pela passagem de bactérias existentes no cólon para a circulação sanguínea, o que influenciará a activação crónica do sistema imunitário.

Para perceber se existe essa tal relação, analisar-se-á o microbioma de doentes com lúpus. Também se fará o mesmo estudo em ratinhos. “Além da importância destes dados do ponto de vista clínico para o desenvolvimento de novas formas de tratamento mais eficazes e com menos efeitos adversos, a confirmar-se esta relação, esses dados terão impacto também do ponto de vista científico. Irão permitir-nos reequacionar a forma como pensamos na auto-imunidade e levarão a novos estudos noutras doenças deste foro”, indica a investigadora de 36 anos, que tem o objectivo de melhorar o controlo do lúpus e a qualidade de vida dos doentes.