Ourém vai construir passadiço até à praia fluvial do Agroal

Serão 780 metros de um "percurso sinuoso", entre parque e praia.

Agroal
Fotogaleria
Agroal DR/CMO
Agroal
Fotogaleria
Agroal DR/CMO
Agroal
Fotogaleria
Agroal DR/CMO
Fotogaleria
Agroal DR/CMO
Fotogaleria
Parque Natureza DR/CMO
Fotogaleria
Parque Natureza DR/CMO

O Passadiço do Agroal vai começar a ser construído e será uma "estrutura enquadrada ecológica e paisagisticamente", localizada na margem esquerda do rio Nabão, que fará a "ligação entre o Parque Natureza e a praia Fluvial do Agroal", dois pilares do turismo de Natureza na zona, informa a Câmara de Ourém em comunicado. 

Com 780 metros, a "estrutura em madeira", garante-se, não irá "alterar as condições ecológicas (solo, fauna, flora, etc.) do espaço", devendo ser "sobrelevada em praticamente toda a sua extensão".

O passadiço, aprovado por unanimidade pela autarquia no dia 18, terá um "percurso sinuoso integrado no espírito do lugar e enquadrado com toda a envolvente paisagística". Ao longo do caminho, haverá pontos de lazer e descanso, iluminação adaptada ou sinalética informativa sobre fauna e flora.

Quando estiver construído, espera-se que também cumpra outra meta ecológica: que incentive os visitantes da área a deixarem o carro no estacionamento do Parque Natureza, já que terão tarefa facilitada para fazerem o caminho a pé pelo passadiço até à praia. Uma forma de "diminuir a utilização do espaço viário para estacionamento indevido", refere a autarquia.

PÚBLICO -
Foto

A praia está integrada na maior nascente do Nabão e, diz-se, é "muito apreciada pelas suas águas frias, com fama de serem termais". Na zona há parque de merendas, solário e anfiteatro ao ar livre.

No comunicado, a autarquia sublinha ainda a existência de dois percursos pedestres que passam pelo Agroal, sendo o passadiço "coincidente com ambas as rotas", o que também permitirá "valorizar e requalificar o local". Uma das premissas da construção do passadiço, promete a autarquia, passa pela "manutenção do maior número possível das espécies arbóreas existentes" na zona. 

O projecto, estimado em 368 mil euros, será submetido a uma candidatura ao Programa Operacional Regional do Centro (Centro 2020), integrada nas “Rotas e Percursos no Médio Tejo”, o que "deverá possibilitar um financiamento de cerca de 200 mil euros".

Oh não, outra vez os passadiços do Paiva…