Está a formar-se um icebergue na Antárctida com 20 vezes a área de Lisboa

Apesar da grande dimensão, o futuro icebergue não deverá estar na lista dos 20 maiores da Antárctida. Ainda assim, pode pôr em risco uma estação de investigação britânica.

Foto
Reuters

As imagens obtidas pelo satélite Landsat 8, a 23 de Janeiro de 2019, mostram que, na plataforma de gelo Brunt, na Antárctida, há duas fissuras que se podem intersectar num futuro próximo. Além da fissura Halloween, que apareceu em 2016 e continua a crescer para leste, há uma outra fissura que se encontrava estável há 35 anos e cuja abertura começou a acelerar a norte, a um ritmo de quatro quilómetros por ano, podendo encontrar-se com a Halloween. Se ambas se cruzarem, haverá um icebergue de 1700 quilómetros quadrados que se separará da plataforma de gelo, ficando à deriva.

Segundo o relatório da NASA, apesar de ter o dobro do tamanho de Nova Iorque – o equivalente a 20 vezes a área da cidade de Lisboa –, o futuro icebergue não será “terrivelmente grande”, não estando sequer na lista dos 20 maiores da Antárctida. Ainda assim, “pode ser o primeiro icebergue a separar-se da plataforma de gelo Brunt desde que as observações começaram em 1915”, diz o relatório.

PÚBLICO -
Foto
NASA

Esta separação, escreve a NASA, pode pôr em causa a segurança de quem trabalha nesta plataforma de gelo, nomeadamente os cientistas da estação Halley VI, do British Antarctic Survey. A estação – construída em 1956 para estudar a atmosfera da Terra – já mudou de sítio duas vezes nos últimos anos devido às fissuras.

Segundo dados da NOAA, a agência para os oceanos e a atmosférica dos Estados Unidos, o mês de Janeiro deste ano foi o terceiro mais quente dos últimos 140 anos, com uma temperatura global a rondar os 12,88 graus Celsius.

Estas temperaturas tiveram também impacto nas águas do oceano Antárctico, na costa sul da África do Sul e do oceano Pacífico. No geral, a temperatura da superfície do mar esteve cerca de 0,65 graus Celsius acima da média global para o século XX (de 15,8 graus Celsius), sendo a terceira mais elevada desde que há registos para o mês de Janeiro.