Arnaldo Matos

PCTP/MRPP: quando os cartazes eram uma arma

"O grande educador da classe operária" morreu nesta sexta-feira. Aqui ficam alguns exemplos da estética do PCTP-MRPP, que fizeram dos cartazes e dos murais uma arma política.

Imagem de Arnaldo de Matos nos anos 70 Ephemera
Fotogaleria
Imagem de Arnaldo de Matos nos anos 70 Ephemera

Arnaldo Matos morreu na madrugada desta sexta-feira, em Lisboa, vítima de uma crise cardíaca. Arnaldo Matias de Matos, fundador e líder do partido maoísta PCTP-MRPP,  nasceu em Santa Cruz, Madeira, a 24 de Fevereiro de 1939 — estava a dois dias de fazer 80 anos, e os seus amigos e familiares tinham preparado uma homenagem para essa data. Arnaldo de Matos continuava ligado ao partido que fundou, apesar de já não desempenhar qualquer cargo. 

O Presidente da República publicou uma nota no site oficial da Presidência da República na qual envia condolências à família de Arnaldo de Matos, e recorda o seu papel na história contemporânea de Portugal: "Personalidade da vida pública portuguesa conhecida pelo desassombro das suas intervenções, Arnaldo Matos ficará na memória de todos como um defensor ardente da liberdade e como um lutador pela causa da justiça social e dos mais desfavorecidos. Concordando-se ou não com as suas ideias e afirmações, a voz de Arnaldo Matos, pela sua intransigente independência, contribuiu decisivamente para enriquecer o debate democrático e para o pluralismo de opinião no seio da sociedade portuguesa. Por tudo isso, Portugal ficou mais pobre com o seu desaparecimento".

O grande educador da classe operária" optou pelo Twitter, entre outros meios, para passar a sua mensagem, onde apelou à luta armada e à revolta popular. Uma tradição de polémica que passou também pelos jornais e pelo Luta Popular, o órgão oficial do partido que viu nascer para a política nomes como Durão Barroso e Ana Gomes. 

Cartaz para as eleições legislativas de 1979
Cartaz para as eleições legislativas de 1979
Campanha pela libertação de Arnaldo de Matos, depois de ter sido deputado no PREC pelo COPCON (Comando Operacional do Continente)
Campanha pela libertação de Arnaldo de Matos, depois de ter sido deputado no PREC pelo COPCON (Comando Operacional do Continente)
Cartaz do comício no Campo Pequeno de 1975
Cartaz do comício no Campo Pequeno de 1975
Cartaz que celebra a libertação de Arnaldo Matos
Cartaz que celebra a libertação de Arnaldo Matos
Ephemera
Selecção de textos de Arnaldo de Matos, numa publicação do PCTP-MRPP
Selecção de textos de Arnaldo de Matos, numa publicação do PCTP-MRPP Ephemera
Convocatória para o congresso de 16 de Março de 1976 no Pavilhão dos Desportos
Convocatória para o congresso de 16 de Março de 1976 no Pavilhão dos Desportos Ephemera
Mural do PCTP/MRPP
Mural do PCTP/MRPP
Mural do PCTP/MRPP
Mural do PCTP/MRPP
Mural do PCTP/MRPP
Mural do PCTP/MRPP
Mural do PCTP/MRPP
Mural do PCTP/MRPP
Capa do discurso de Arnaldo Matos à reunião de quadros e activistas do MRPP.
Capa do discurso de Arnaldo Matos à reunião de quadros e activistas do MRPP.
Convocatória para comício, com a campanha "libertação imediata do camarada Arnaldo Matos"
Convocatória para comício, com a campanha "libertação imediata do camarada Arnaldo Matos"
Programa do "1º de Maio vermelho" de 1976
Programa do "1º de Maio vermelho" de 1976 Ephemera
Programa do "1º de Maio vermelho" de 1976
Programa do "1º de Maio vermelho" de 1976 Ephemera
Capa do discurso de Arnaldo Matos na reunião de quadros e activistas do MRPP
Capa do discurso de Arnaldo Matos na reunião de quadros e activistas do MRPP Ephemera
Mural do MRPP
Mural do MRPP
Livro de Arnaldo Matos
Livro de Arnaldo Matos Ephemera
Ephemera
Carta de demissão de Arnaldo Matos do MRPP (1979)
Carta de demissão de Arnaldo Matos do MRPP (1979) Ephemera
Candidatura às eleições legislativas de 1976
Candidatura às eleições legislativas de 1976 Ephemera
Cartaz do MRPP (1976)
Cartaz do MRPP (1976) Ephemera
Livro de Arnaldo Matos
Livro de Arnaldo Matos
Sugerir correcção