Vendas de smartphones na China caíram 10%

A descida registada em 2018 deve-se à desaceleração da economia do país e aos ciclos mais longos de substituição dos aparelhos.

Foto
Reuters/HENRY NICHOLLS

As vendas de smartphones na China registaram uma queda homóloga de 10,5%, em 2018, devido à desaceleração da economia do país e ciclos mais longos de substituição dos aparelhos, noticiou esta quinta-feira a imprensa local.

As vendas destes aparelhos ascenderam a 397,7 milhões de unidades, durante o ano passado, segundo um relatório da consultora International Data Corporation (IDC), citado pela imprensa chinesa, 

A fabricante chinesa Xiaomi e a norte-americana Apple foram as que registaram maiores quedas, apesar de continuarem entre as cinco maiores empresas do sector no país, com participações de mercado de 13,1% e 9,1%, respectivamente.

Durante o ano passado, as vendas da Xiaomi recuaram 5,6%, para 52 milhões de unidades, devido a "problemas com a sua gama de produtos e reestruturação interna", destaca o relatório.

A Apple vendeu 36,3 milhões de unidades, uma queda homóloga de 11,7%, à medida que os preços dos seus telemóveis se tornam demasiado altos para o competitivo mercado local.

A fabricante chinesa Huawei registou a maior quota do mercado, de 26,4%, seguida pela Oppo (19,8%) e Vivo (19,1%).

A fabricante chinesa ultrapassou também a Apple como a segunda maior empresa de smartphones do mundo, ficando apenas atrás da sul-coreana Samsung, a nível global.

O analista da IDC para o mercado chinês Xi Wang considera que "o mercado chinês de smartphones está ainda longe de poder estar optimista, em 2019", e afirma que manter os utilizadores será o grande desafio para os concorrentes de um sector já "saturado".

A economia da China, a segunda maior do mundo, cresceu 6,6%, em 2018, ou seja, ao ritmo mais lento dos últimos 28 anos.