Routers para acesso à Internet chegam às cadeias

Um aparelho apreendido no Estabelecimento Prisional de Lisboa.

Foto
Nuno Ferreira Santos

Pelo menos um router, para acesso à Internet, já foi apreendido numa cadeia portuguesa. O caso aconteceu no Estabelecimento Prisional de Lisboa, segundo confirmou ao PÚBLICO Jorge Alves.

O PÚBLICO apurou que aparelhos deste género já foram detectados em outros estabelecimentos prisionais. A Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP), questionada sobre esta matéria, não deu qualquer resposta

Segundo o artigo 37.º do Regulamento Geral dos Estabelecimentos Prisionais, os reclusos podem ter e usar os seguintes objectos: “Televisor, aparelho de rádio, leitor de música e filmes, consola de jogos ou outro equipamento multimédia que não possibilite a comunicação electrónica, até ao máximo de três equipamentos, não sendo, em qualquer caso, permitidos os computadores.”

Acontece que com os routers os presos podem usar muitos dos telemóveis proibidos em verdadeiros computadores. Mais, o regulamento permite a posse e uso de consola de jogos, cujos modelos mais recentes também permitem o acesso a Internet também através do uso do routers.