Direcção do PSD pede nomes para a lista ao PE a partir do 11º lugar e seguintes

Secretário-geral do partido escreveu às distritais, aos TDS e à JSD para indicarem nomes para a lista. De fora ficaram os Açores e a Madeira que têm modelo diferente.

Foto
José Silvano convica distritais a sugerirem nomes para o PE Nelson Garrido

Três dias depois de ter anunciado Paulo Rangel como cabeça de lista para o Parlamento Europeu, a direcção nacional do PSD pediu às distritais, aos Trabalhadores Sociais-Democratas e à Juventude Social-Democrata para indicarem o nome de um homem e de uma mulher, para que o partido possa cumprir a Lei da Paridade.

Os dez primeiros nomes são responsabilidade do presidente do partido e da comissão política nacional, pelo que os nomes que vierem a ser sugeridos são para constar entre a 11.ª e a 30.ª posição. Rui Rio quer ter a lista fechada até ao final do mês, para depois ser aprovada pela comissão política nacional e ratificada depois pelo conselho nacional, pelo que os nomes terão de ser comunicados com alguma brevidade.

No email enviado nesta terça-feira às distritais, aos TSD e à JSD, o secretário-geral, José Silvano, informa que a ordenação das pessoas será feita de acordo com o currículo dos candidatos, e não com a sua origem geográfica.

O PÚBLICO falou com quatro distritais e todos os presidentes se disseram receptivos a colaborar com a direcção do partido.

Maurício Marques, da distrital de Coimbra, tem já um nome na cabeça: Lídia Pereira, que é presidente da maior força de juventude da Europa, o YEPP (a juventude do Partido Popular Europeu). Este foi também o nome indicado pela JSD para a lista de candidatos do PSD às europeias. A distrital vai convocar uma reunião da comissão política para indicar o nome de Lídia Pereira, disse o presidente da estrutura social-democrata.

A distrital algarvia do PSD promete responder “dentro do prazo” ao email de José Silvano, mas David Santos não arrisca nomes, remetendo uma decisão para a comissão política.

De certa forma, a distrital de Viseu já se tinha antecipado ao aprovar na comissão política o nome de Fernando Ruas, actual eurodeputado e ex-presidente da câmara local. “Em função do email vamos agora indicar o nome de Fernando Ruas, porque já tínhamos tomado essa decisão”, afirma o deputado Pedro Alves, que apoiou Rui Rio nas directas contra Santana Lopes. Na recente guerra interna, Pedro Alves esteve com Luís Montenegro, que queria eleições directas para disputar a liderança do PSD.

Quem já estava à espera deste apelo é Fernando Queiroga que, em declarações ao PÚBLICO, revelou que já tinha tido “uma conversa informal com alguém da direcção do partido” e que mostrou abertura para a distrital do PSD de Vila Real indicar “alguns nomes”. “Tenho um nome para a lista, é um homem, e o assunto foi abordado informalmente na distrital”, conta Fernando Queiroga.

As distritais do PSD dos Açores e da Madeira ficaram de fora porque já têm um representante cada em lugar elegível.