Sonae lidera investimento de 18 milhões em empresa de pesquisa visual

ViSenze é uma startup de Singapura e desenvolve tecnologia que permite a consumidores usarem imagens para encontrar produtos.

Tecnologia sugere aos consumidores produtos visualmente semelhantes
Foto
Tecnologia sugere aos consumidores produtos visualmente semelhantes Jim Young/Reuters

A Sonae, que é dona dos supermercados Continente e das lojas Worten e Sport Zone, participou numa ronda de 20 milhões de dólares (perto de 18 milhões de euros) de investimento numa startup que desenvolve tecnologia para recomendar a consumidores produtos visualmente semelhantes aos que já viram e que lhes permite tirarem uma fotografia a um produto e usá-la para pesquisas online.

A empresa chama-se ViSenze e foi fundada em 2012, em Singapura. De acordo com a base de dados CrunchBase, tinha até aqui recebido 14 milhões de dólares de financiamento. O novo investimento foi liderado pela Sonae IM (um braço de investimento do grupo Sonae, que é também dono do PÚBLICO) e pela empresa de capital de risco asiática Gobi Partners. Questionada pelo PÚBLICO, a Sonae IM, que fez o anúncio nesta terça-feira, não quis divulgar o valor que investiu.

A ViSenze comercializa tecnologia para permitir pesquisas por imagem, em que os consumidores podem tirar uma fotografia ou usar uma imagem que vejam no ecrã para procurar um produto, não tendo assim de introduzir palavras. Também tem uma plataforma que sugere produtos que sejam visualmente semelhantes àqueles que o utilizador está a a ver. Usa ainda tecnologia de reconhecimento visual para catalogar automaticamente imagens de produtos.

O novo financiamento, explica um comunicado da Sonae IM, será em parte usado pela ViSenze para trabalhar em parcerias com fabricantes de telemóveis.

Entre outros clientes, a ViSenze lista a loja de joalharia BlueStone, a empresa de venda de roupa La Redoute e a plataforma de comércio online Rakuten, um gigante japonês que é também um dos principais investidores na empresa.

O investimento acontece quando as compras online estão a crescer globalmente. Em Portugal, o comércio através da Internet tem vindo nos últimos anos a recuperar terreno face à média europeia, embora ainda esteja distante deste valor. Em 2018, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística, 37% dos residentes tinha feito algum tipo de compra online. A média europeia era, no ano anterior, de 57%.