Violência doméstica: os 11 casos que estão a manchar 2019

Desde o início de Janeiro, foram assassinados 11 mulheres, uma criança de dois anos e um homem. A maioria perdeu a vida em casa, de forma violenta, por companheiros, ex-companheiros e familiares.

Foto
LUSA/RICARDO CSATELO

6 de Março

Ana Paula, 39 anos, foi morta pelo marido em Vieira do Minho, distrito de Braga. O homem, com cerca de 40 anos, entregou-se às autoridades durante a noite e a GNR  foi peremptória: trata-se de "um quadro de violência doméstica", como descreveu à Lusa.

O casal, que tem dois filhos, esteve emigrado em Londres e voltaram a Vieira do Minho há cerca de um ano, conta o Diário do Minho. Exploravam um restaurante, situado no rés-do-chão da casa onde viviam. Ao Diário de Notícias, fonte da associação de bombeiros de Vieira do Minho contou que havia um historial de "desentendimentos" entre o casal, mas fonte da GNR disse à Lusa que não tinha registos do historial do casal. 

18 Fevereiro

Um homem, de 62 anos, matou a ex-mulher, desferindo-lhe um ou mais tiros de caçadeira, no parque de estacionamento, à saída da dancetaria São Martinho, na Golegã, Santarém. O suspeito terá aguardado algum tempo, com discrição, pela vítima. Ao ver a ex-mulher, de 53 anos, residente na Chamusca, sair acompanhada, fez pelo menos dois disparos de caçadeira, atingindo-a nas costas.

A mulher de 53 anos já tinha feito queixa do seu agressor à GNR pelo menos uma vez, no ano passado. Mas a Justiça não actuou a tempo de salvar esta vítima.

4 de Fevereiro

Helena C., 60 anos, foi encontrada morta no interior da sua residência, em Cruz de Pau, no Seixal. O homicídio foi cometido pelo genro que fugiu com a filha, de dois anos, encontrada morta no dia seguinte em frente à Escola Básica e Secundária João de Barros, em Corroios, Seixal.

De acordo com informações apuradas pelo PÚBLICO, o suspeito terá contactado a ex-mulher por telefone a dar conta da morte da criança e, durante a chamada, terá também feito ameaças. No dia da morte da criança estava marcada, no Tribunal de Família e Menores do Seixal, uma sessão destinada a regular as responsabilidades parentais sobre a criança.

31 de Janeiro

O corpo de uma jovem de 25 anos foi encontrado em casa, em Moimenta da Beira, na manhã do dia 31 de Janeiro. A mulher, mãe de dois filhos com dois e cinco anos, terá tido uma discussão com o ex-namorado, de 26 anos, que a atacou com uma faca, deixando-lhe ferimentos profundos no pescoço e no peito. O homicida foi detido e terá confessado o crime.

27 de Janeiro

Já passava das 23h30 daquele domingo quando o corpo de uma mulher brasileira, de 48 anos, com sinais de agressões violentas foi encontrado, sem vida, na casa onde morava, em Santarém. O alerta para as autoridades foi dado por um vizinho, acordado com pancadas na porta por um homem que disse ter encontrado a vítima já sem vida, depois de se ter deparado com a porta da rua aberta. A brasileira, mãe de dois filhos, residia naquele local há cerca de dez anos e trabalhara em casas de diversão nocturna, suspeitando-se que se dedicaria à prostituição na casa em que morava e onde foi assassinada.

17 de Janeiro

Às 16h20, as autoridades foram chamadas à casa de um casal, com cerca de 70 anos, no Dafundo, Oeiras, distrito de Lisboa. O alerta terá sido dado pela filha de ambos, que encontrou os cadáveres, com ferimentos de bala. A arma encontrava-se no local e no próprio dia a PSP apontava para a possibilidade de se estar de um homicídio seguido de suicídio, perpetrado pelo marido. As discussões entre o casal seriam frequentes.

11 de Janeiro

Vera, de 30 anos, foi brutalmente espancada em casa, em Almada, a 11 de Janeiro. Apesar dos ferimentos graves ainda conseguiu arrastar-se até às escadas da casa, onde foi encontrada por uma vizinha. Transportada para o Hospital Garcia de Orta, extremamente desfigurada pelas agressões, acabaria por morrer ali. O agressor ou agressores não foram ainda detidos, suspeitando-se de um crime passional.

No mesmo dia, no Alandroal, um homem na casa dos 80 anos matou a tiro a mulher e a cunhada, com idades similares. O homicida tentou suicidar-se com a mesma arma no local, mas ainda foi transportado com vida para o hospital, onde acabaria por morrer, horas depois.

7 de Janeiro

Uma mulher de 46 anos foi espancada pelo cunhado, acabando por morrer no hospital da ilha Terceira, nos Açores. O homicida pretendia expulsar a cunhada de casa que pertencera à mãe dele, falecida pouco tempo antes, numa altura em que o marido da vítima e irmão do agressor estaria detido. Acompanhado de um amigo, invadiu a habitação durante a madrugada e espancou a mulher, a soco e pontapé. A vítima ainda foi socorrida mas não resistiria aos ferimentos. Os dois suspeitos foram detidos, no dia 17 de Janeiro, pelo crime de ofensa à integridade física qualificada agravada.

5 de Janeiro

Eram 12h03 do dia 5 de Janeiro quando o Comando Distrital de Operações de Socorro de Faro recebeu um pedido para “abertura de porta com socorro”. Ao chegar à morada indicada, em Lagoa, os bombeiros encontraram o corpo de um homem, junto ao qual estava uma caçadeira. A alguma distância estava a mulher, de 48 anos, também morta. A investigação concluiu que o homem assassinara a companheira com quem vivia há mais de um ano, suicidando-se em seguida.

Notícia publicada originalmente a 4 de Janeiro e actualizada com informação sobre caso ocorrido a 7 de Março.