OCDE defende melhoria da formação para adultos em Portugal

A falta de habilitações é uma das barreiras mais comuns na hora de tentar regressar ao mercado de trabalho, nota a OCDE. Apesar do aumento dos estágios, as taxas de participação na educação e formação de adultos “são particularmente baixas”.

Foto
paulo pimenta

As pessoas com baixa escolaridade representam cerca de dois terços dos desempregados de longa duração em Portugal. Embora tenha descido nos últimos anos, o desemprego entre os menos escolarizados continua elevado no país, à semelhança do que se passa com o desemprego jovem, em comparação com os restantes 35 países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). O que leva esta organização, no seu mais recente relatório sobre Portugal, divulgado esta segunda-feira, a recomendar a melhoria do sistema de educação e formação para adultos.

A falta de habilitações é, aliás, uma das barreiras mais comuns que os desempregados enfrentam na tentativa de regresso ao mercado de trabalho, a par da escassez de oportunidades/emprego e limitações de saúde, refere a OCDE. Embora no espaço de dois anos tenha aumentado a percentagem de candidatos a emprego registados em estágio – de menos de 10% no início de 2016 para mais de 14% no segundo semestre de 2018 –, as taxas de participação na educação e formação de adultos “são particularmente baixas”, especialmente entre os desempregados ou inactivos.

A OCDE insta, por isso, a que programas de formação profissional de longa duração como o Aprendizagem – que atribui habilitações escolares e uma qualificação profissional a jovens até aos 25 anos que não tenham concluído o ensino secundário – e os Cursos de Educação e Formação de Adultos – para quem quer completar algum dos ciclos do ensino básico ou secundário – sejam expandidos ao maior número possível de pessoas com poucas qualificações. “Esses dois programas têm efeitos positivos no emprego, embora tais efeitos tendam a aparecer apenas alguns anos após a participação”, nota o relatório.

Já o Qualifica, um programa de educação e formação criado em 2017 a pensar em adultos pouco qualificados e jovens que nem estudam nem trabalham, é considerado “promissor” pela OCDE. Permite o reconhecimento formal das aprendizagens não formais e das competências adquiridas com a experiência laboral e inclui um programa específico com os menos letrados (Vida Activa Qualifica+).

Entre outras medidas bem-sucedidas, a OCDE destaca ainda a reformulação do Programa de Relançamento do Serviço Público de Emprego e o reforço do projecto One-stop-shop for Employment, que se traduziram “num maior apoio” aos desempregados que estão prontos para reentrar no mercado. Hoje vê o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) articular-se mais facilmente com Instituto da Segurança Social, melhores serviços online e elogia a criação dos gestores de caso. Além do disso, o foco dos assistentes sociais em grupos específicos – pessoas com 45 ou mais anos e aquelas que estão desempregadas há, pelo menos, meio ano – tem vindo a tornar “os programas do mercado de trabalho mais personalizados”.

Recomendações

A questão não é nova nestes relatórios da OCDE. O organismo tem insistido na necessidade de reforço da qualificação para adultos e incluía no relatório de 2017 doze recomendações em matéria de educação e aumento de competências. No quadro síntese que consta deste relatório demonstra que o país não implementou três recomendações. E volta a insistir numa delas: que os cursos de educação e formação profissional passem para uma só tutela. Actualmente o Ministério da Educação é responsável pelos cursos do secundário e o Ministério do Trabalho coordena os cursos através do IEFP. Há por isso, entende a OCDE, risco de sobreposições e desperdício de recursos.

Outras das recomendações ainda por concretizar foi a criação de incentivos para atrair os professores com mais experiência para as escolas mais desfavorecidas. E o desenvolvimento de cursos específicos para gerentes.