Entrevista

“Para além da Rússia, agora temos os chineses e os americanos a tentar dividir a UE”

Foi primeiro-ministro da Suécia entre 1991 e 1994, durante as negociações de adesão do seu país à União Europeia, que levou a bom porto, mas também durante uma crise financeira que obrigou o Governo a resgatar vários bancos. Voltou ao Governo entre 2006 e 2014 para chefiar a diplomacia sueca. Liderou o partido de centro-direita Os Moderados até 1999. Foi enviado especial da UE para a antiga Jugoslávia no pico da guerra, alto-representante para a Bósnia-Herzegovina e enviado especial da ONU para os Balcãs. Hoje preside ao European Council on Foreign Relations.