Fórum Cidadania pede que projecto para a fábrica A Napolitana, em Lisboa, seja revisto

Complexo fabril do início do século XX deverá dar lugar a 56 casas e estabelecimentos comerciais. Fórum cidadania quer que promotor, o grupo Auchan, reveja o projecto de modo a preservar os interiores.

Foto
A fábrica foi construída no quarteirão formado pela Rua de Maria Holstein, Rua da Cozinha Económica e Travessa de Teixeira Júnior, no início do século XX DR

A antiga fábrica de massas A Napolitana é um dos últimos exemplares do complexo industrial que um dia marcou a paisagem de Alcântara. A cumprir-se um projecto que deu entrada na câmara de Lisboa, esta antiga fábrica moageira poderá transformar-se em casas e estabelecimentos comerciais.

Esta quinta-feira poderá dar-se o primeiro passo nesse sentido, se for aprovada uma proposta, subscrita pelo vereador Manuel Salgado, para a aprovação do Pedido de Informação Prévia apresentado para obras de alteração no prédio. Este procedimento não determina o licenciamento da obra, mas abre caminho a que isso seja feito. Por isso, o Fórum Cidadania pede que a discussão da proposta seja adiada e que esta seja novamente remetida aos serviços de Urbanismo, em especial ao conselho científico da Carta do Património, “de modo a fazer-se corrigir o programa proposto pelo promotor e pelo arquitecto respectivo”. 

Numa carta dirigida à autarquia, este grupo de cidadãos escreve que A Napolitana “tem sido objecto do desinteresse geral por quem de direito (sucessivos executivos camarários) desde o dia do seu encerramento, o que permitiu sucessivas alterações físicas no seu interior e o desvirtuamento de parte significativa dos espaços interiores e a desprotecção do seu assinalável espólio”. 

O Fórum Cidadania acredita que, de acordo com o que é descrito nos pareceres anexados à proposta, a ser aprovado como está, o projecto “destruirá o que resta do interior do edifício, não estando asseguradas características relevantes para lá das fachadas, do sistema construtivo e de circulação antigos”.

A fábrica foi construída no quarteirão formado pela Rua de Maria Holstein, Rua da Cozinha Económica e Travessa de Teixeira Júnior, no início do séc. XX, tendo fechado nos anos 70. O prédio é hoje propriedade do grupo Auchan, que ali pretende criar 56 casas e estabelecimentos comerciais, segundo o que é descrito pelo atelier JQPV - Arquitectos Associados — autores do projecto — no seu site. Está também prevista uma área de três mil metros quadrados para estacionamento.

As antigas instalações d' A Napolitana estão em vias de classificação desde 25 de Novembro de 2017. No entanto, tinha sido já iniciado um processo de classificação no início de 2004 que acabou por caducar. É por isso que o Fórum Cidadania aponta responsabilidades às instituições que zelam pelo património cultural — IPPAR/IGESPAR/DGPC — pela “caducidade de um primeiro processo de classificação”, que tinha sido aberto pelos próprios serviços e que foi “recentemente corrigido” com a abertura de um segundo processo de classificação

O grupo nota ainda “a importância que este antigo complexo fabril ainda tem de facto para Alcântara e para a cidade, passados 110 anos sobre a sua construção, desde logo a nível do estudo da arquitectura industrial portuguesa, enquanto obra marcante do legado da dupla de construtores e projectistas Vieillard & Touzet”.