Ladysmith Black Mambazo, Mari Boine, Leyla McCalla, Amadou & Mariam e Trio Joubran: todos no Ciclo Mundos

Até Dezembro, o ciclo de músicas de mundo que une o FMM Sines ao Teatro da Trindade apresenta 15 concertos de peso.

Foto
Amadou & Mariam MMM MIGUEL MADEIRA - PòBLICO

Estiveram anunciados como um dos cabeças de cartaz para a vigésima edição do Festival Músicas do Mundo, em Sines, mas os históricos sul-africanos Ladysmith Black Mambazo acabaram por faltar à festa de 2018. A justiça será agora reposta com a presença do grupo no Ciclo Mundos, uma lança programática do FMM Sines (em parceria com o Inatel) no palco do Teatro da Trindade, em Lisboa. Será a 23 de Abril que o grupo que mais tem feito pela divulgação da música vocal do seu país – a fama internacional chegou com a participação no clássico Graceland, de Paul Simon, e com a actuação na cerimónia de entrega do Prémio Nobel da Paz a Nelson Mandela, em 1993 – subirá ao palco do teatro lisboeta. Antes dos sul-africanos, dois outros nomes fundamentais do circuito da world music: a cantora norueguesa Mari Boine (26 de Fevereiro), inspirada pela tradição musical do povo sámi, e o inebriante trio de ouds palestiniano Trio Joubran (19 de Março).

Com recentes e muito celebradas passagens pelo FMM, o argelino Sofiane Saidi e a norte-americana (de origem haitiana) Leyla McCalla juntam-se também ao Ciclo Mundos, com concertos agendados para 30 de Abril e 15 de Outubro, respectivamente. Saidi, apelidado de “príncipe do raï 2.0”, continua na estrada a tocar com a banda Mazalda o álbum que o revelou, El Ndjoum, enquanto McCalla está de regresso com o novíssimo The Capitalist Blues.

Neste programa ambicioso cabem ainda as canções entre a música popular e o jazz de Beatriz Nunes (14 de Maio), a união entre músicos da Síria, do Tibete, do Paquistão, do Iraque, do Afeganistão e da Bélgica que dá forma à Refugees for Refugees Band (28 de Maio), a catarse do camaronês Blick Bassy e o afrobeat às turras com o candomblé dos brasileiros Bixiga 70 (ambos a 11 de Junho), as canções irresistíveis dos malianos Amadou & Mariam (12 de Junho), as visões da música tradicional portuguesa e galega por António Chainho & Rão Kyao e Uxía (ambos a 16 de Julho), o tango de cabaret do argentino Melingo (29 de Outubro) e a reinterpretação da música popular húngara pelos Muzsikás (19 de Novembro).

O Ciclo Mundos encerra a 17 de Dezembro com um concerto da rapper portuguesa Capicua, estendendo ainda alguns dos concertos até Évora – Trio Joubran (20 de Março), Ladysmith Black Mambazo (25 de Abril), Refugees for Refugees Band (29 de Maio) e Amadou & Mariam (13 de Junho).