Nesta vila francesa, cão que ladra paga multa

Em Feuquières, no norte de França, os donos dos cães que emitirem "latidos prolongados ou repetidos" estão sujeitos a uma multa de 68 euros.

Foto
Adelaide Carneiro

Numa tentativa de diminuir a poluição sonora canina na comuna de Feuquières, no norte de França, os donos dos cães que produzirem "latidos prolongados ou repetidos" estão sujeitos a uma multa de 68 euros.

"O objectivo não é proibir cães e não vamos multar as pessoas pelo menor indício de um latido", disse o prefeito Jean-Pierre Estienne ao jornal francês Le Parisien. "A cidade não tem nada contra cães mas quando decidirem tê-los, têm de os educar", acrescentou.

O decreto local, que entrou em vigor esta segunda-feira, foi criticado por activistas dos direitos dos animais. Em declarações ao Le Monde, a presidente da Associação de Defesa dos Direitos dos Animais, Stéphane Lamart, condenou a medida dizendo que seria preferível "impedir os sinos da igreja de tocarem ao domingo de manhã". Lamart quer agora apelar ao tribunal local para reverter a decisão.

No regulamento está estabelecido que os cães mais enérgicos também têm de ser mantidos dentro das habitações se o seu comportamento "perturbar o descanso ou tranquilidade" dos 1.400 habitantes de Feuquières. 

Esta não é a primeira vez que as autoridades francesas tomam medidas contra o ruído dos cães. Em 2012, a comuna de Sainte-Foy-la-Grande aprovou uma lei que proibia qualquer ladrar excessivo que perturbasse a ordem pública.