“Governo empurra-nos para situações de abandono de serviço”, diz bastonária dos enfermeiros

Ana Rita Cavaco garante que os serviços mínimos têm sido cumpridos durante a greve cirúrgica e que o Governo "tem de perceber de uma vez por todas que os enfermeiros querem negociar".

Foto
A bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco Nuno Ferreira Santos

Em pleno braço-de-ferro entre os enfermeiros e o Governo, a bastonária Ana Rita Cavaco acredita que “os enfermeiros estão a ser encostados a uma posição insustentável”. “Ao não negociar, [o Governo] empurra-nos provavelmente para situações de abandono de serviço que não são desejáveis”, afirmou a bastonária dos enfermeiros em declarações aos jornalistas na manhã desta sexta-feira, em frente ao Hospital de Santa Maria, em Lisboa​.

A representante dos enfermeiros referiu ainda que, com os dados que tem disponível até ao momento, pode assegurar que os serviços mínimos foram garantidos durante a greve. Ainda assim, para esclarecer a questão, foi convocada uma reunião com os enfermeiros directores, com os sindicatos e com os representantes do Movimento Greve Cirúrgica para analisar “se houve ou não houve violação dos serviços mínimos”.

PÚBLICO -
Foto
Manifestação dos enfermeiros no Hospital de Santa Maria, Lisboa MIGUEL A. LOPES/LUSA

Em causa está uma requisição civil decretada pelo Governo, que alega que os serviços mínimos não foram cumpridos em quatro dos centros hospitalares que estão em greve.

“O Governo tem de perceber de uma vez por todas que os enfermeiros querem negociar”, acrescentou ainda a bastonária. Ana Rita Cavaco lamentou que estejam “sistematicamente a ser desferidos ataques aos enfermeiros”, em vez de se tentar chegar a um consenso. 

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou nesta sexta-feira que é “intolerável” a resposta dos enfermeiros à requisição civil decretada pelo Governo, que, como diz, parece ser “se é assim não vamos trabalhar”. “É intolerável que, perante uma decisão legal, a reacção considerada adequada [seja ameaçar] não cumprir e não acatar. Aí o Presidente é muito claro: autoridade com afecto, mas autoridade, ao serviço dos que mais sofrem”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa na TVI.

O Conselho de Ministros aprovou uma requisição civil alegando que os serviços mínimos não estão a ser cumpridos na greve cirúrgica, que afecta sete centros hospitalares desde o dia 31 de Janeiro. A portaria que fica em vigor até ao final do mês requisita os enfermeiros de quatro centros hospitalares (São João, Centro Hospitalar e Universitário do Ponto, Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga e Centro Hospitalar de Tondela-Viseu) “que se mostrem necessários para assegurar o cumprimento dos serviços mínimos”.

Antes das declarações da bastonária, o presidente do Sindicato dos Enfermeiros (SE), José Azevedo, dizia ao PÚBLICO na manhã desta sexta-feira que o SE e o Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem (SIPE) vão avançar para uma greve de zelo. Já o Sindicato Democráticos dos Enfermeiros (Sindepor) anunciou esta quinta-feira que vai interpor uma providência cautelar para suspender a requisição civil dos enfermeiros.