“Hoje sou talvez o maior defensor do Presidente” Marcelo, diz Jorge Coelho

Depois de João Soares, o ex-ministro de António Guterres é o segundo socialista em dois dias a afirmar o apoio à recandidatura de Marcelo. Costa diz que é cedo para pensar nisso.

Foto
O apoio do PS à recandidatura de Marcelo pode estar a fazer caminho LUSA/TIAGO PETINGA

Jorge Coelho, o ex-ministro de António Guterres, não tem dúvidas: se Marcelo Rebelo de Sousa se decidisse recandidatar neste momento à Presidência da República, seria seu apoiante da primeira hora. Foi o que afirmou na estreia da Circulatura do Quadrado na TVI e TSF, transmitida na noite de quinta-feira em directo do Palácio de Belém, embora com um “se” pelo meio: “Se a decisão [sobre a recandidatura] fosse agora, nas circunstâncias de agora, tinha aqui à sua frente um apoiante”, disse.

“Hoje sou talvez o maior defensor do seu papel como Presidente da República e daquilo que tem feito a bem de Portugal no exercício dessa função. É muito bom para Portugal ter um Presidente da República a fazer o que tem feito para Portugal”, disse Jorge Coelho ainda no preâmbulo do programa, no Jornal das 8.

Pelo seu lado, Marcelo insistiu no que disse no final de Janeiro no Panamá: a recandidatura depende da sua saúde e da “avaliação que fizer de quem estará em melhores condições para assumir a função em 2021” – e já não tanto para receber o Papa em 2022, como disse no final das Jornadas Mundiais da Juventude.

Jorge Coelho torna-se, assim, o segundo socialista de peso a admitir esta possibilidade, poucos dias depois de o chefe de Estado ter admitido, no Panamá, a sua vontade de se recandidatar em 2021. Na quarta-feira, tinha sido João Soares a classificar o primeiro mandato de Marcelo Rebelo de Sousa “uma belíssima surpresa”, na sequência da polémica em torno da visita do Presidente ao Bairro da Jamaica, no Seixal, e a admitir o apoio do PS à recandidatura. "Não vale a pena estar a antecipar, mas não me repugnaria nada", disse o ex-ministro da Cultura no programa Almoços Grátis, da TSF, no qual substituiu Carlos César esta semana.

Horas antes, em entrevista à SIC, o primeiro-ministro tinha considerado prematura qualquer posição do PS sobre as eleições presidenciais. Primeiro, disse António Costa, é Marcelo quem terá de “decidir se se recandidata ou não” e, depois, é o PS que “decidirá a seu tempo”. “A fazer fé naquilo que é um apoio popular indiscutível, se se recandidatar, é altamente provável que ganhe”, considerou.

António Costa continua sem se querer comprometer com um eventual apoio do PS a uma possível recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa em 2021, até para “não condicionar o exercício do mandato presidencial”, como dissera à TVI em Outubro. Mas na altura tinha-se mostrado mais avesso à ideia, ao fazer esta declaração sobre o assunto: “Não dou por adquirido que o professor Marcelo Rebelo de Sousa, por se dar bem comigo, vote em mim nas próximas legislativas, uma coisa não condiciona a outra e cada decisão deve ser tomada a seu tempo”.

Já em Abril do ano passado, outro “senador” socialista, Miranda Calha, defendera que o apoio indirecto que o PSD deu a Mário Soares, em 1991, para o segundo mandato presidencial podia ser correspondido trinta anos depois, desta feita para o segundo mandato de Marcelo Rebelo de Sousa. Em entrevista ao i, foi o próprio Miranda Calha a fazer essa associação: “Tenho visto bem a sua Presidência [de Marcelo Rebelo de Sousa]. Recordo-me, numa altura em que Mário Soares estava a fazer a transição do primeiro para o segundo mandato, que o PSD não apresentou ninguém nessas eleições presidenciais. É uma questão natural.”

Natural foi também o tom do comentário de Rui Rio a propósito do pré-anúncio feito no Panamá. Para o líder do PSD, é natural que Marcelo se recandidate porque “todos os presidentes se candidatam a um segundo mandato”. Natural mas com mais entusiasmo foi a reacção imediata de Assunção Cristas: “O CDS foi apoiante do Presidente Marcelo desde a primeira hora. E, obviamente, quem apoia à primeira, apoia à segunda”.

Por seu lado, a moção de Pedro Santana Lopes ao primeiro congresso da Aliança coloca o apoio à recandidatura de Marcelo sob condição, quando diz que o partido será “exigente” com a forma como o Presidente vai exercer a segunda metade do seu mandato e remete para mais tarde uma decisão sobre as eleições presidenciais.

Reconhecendo que Marcelo “conquistou popularidade” que “fez bem à auto-estima dos portugueses", o fundador da Aliança considera que o Presidente “surgiu, talvez de mais, em salvação do Governo”, mas reconhece que “também soube ser exigente com o executivo normalmente com os casos mais graves”. A posição sobre as presidenciais - que se disputam em 2021 - será assumida “em devido tempo” e quando a Aliança fizer o “balanço necessário”.