Israel evita penalização por plágio na Eurovisão e credita Jack White pela canção vencedora em Lisboa

Autores de Toy, canção interpretada por Netta Barzilai, reconhecem semelhanças com Seven Nation Army, clássico dos White Stripes. Se a acusação de plágio seguisse para os tribunais, Israel arriscava perder o direito a realizar o festival em Telavive.

Foto
Toy foi a canção vencedora na última edição do festival em Lisboa Reuters/PEDRO NUNES

Os compositores de Toy, a canção com que Israel venceu a Eurovisão em 2018 em Lisboa, chegaram a um acordo legal com o músico norte-americano Jack White, dos White Stripes, para que o seu nome também figure nos créditos do tema interpretado pela israelita Netta Barzilai. Em causa estava uma possível acusação de plágio devido às semelhanças entre a música vencedora da Eurovisão e Seven Nation Army, êxito dos White Stripes de 2003.

Se acusação por plágio fosse para a frente nos tribunais, a realização da edição de 2019 do Festival Eurovisão da Canção em Telavive poderia estar em causa. As normas da União Europeia de Radiodifusão, organizadora do concurso, requerem que os temas apresentados a concurso sejam originais. Caso fossem confirmadas as acusações de plágio, Barzilai teria sido desqualificada e, consequentemente, Israel perderia o direito de realizar o festival no seu território.

Em Junho de 2018, recorda o El País, a Universal Music contactou Doron Medalie e Stav Beger, compositores da canção vencedora, e informou-os que podiam incorrer numa violação dos direitos de propriedade intelectual de Jack White.

Ainda durante esse Verão, Netta Barzilai negou, aquando de uma visita a Madrid, que houvesse qualquer parecença entre Toy e Seven Nation Army. Um vídeo publicado no Youtube, no entanto, dá conta das semelhanças entre as duas canções, sobrepondo-as e evidenciando as similitudes nos ritmos e melodias.

 Ambas as partes chegam agora a acordo, e White passará a receber parte das receitas geradas pela canção.