Psicólogos querem pôr cidadãos a lutar contra as alterações climáticas

Ordem dos Psicólogos foi a Bruxelas sensibilizar representantes das instituições europeias para o papel que podem desempenhar na luta contra alterações climáticas e na integração de refugiados. Os psicólogos sabem como envolver as pessoas "em acções criativas e transformadoras”, argumentam.

Foto
Reuters/DAVID MERCADO

Em Portugal não tem sido fácil convencer os responsáveis políticos da importância do papel que os psicólogos podem desempenhar na definição de melhores políticas públicas. A Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) decidiu, assim, ir mais longe e organizou em Bruxelas o "Dia da Psicologia nas instituições europeias”, em parceria com outras associações profissionais. Os psicólogos acreditam que têm um papel relevante a desempenhar enquanto recurso para enfrentar os principais desafios da sociedade europeia e foram "informar e sensibilizar" os responsáveis da Comissão Europeia e eurodeputados para esta disponibilidade.

Há áreas em que crêem poder dar um valioso contributo. Duas são centrais: querem motivar e mobilizar os cidadãos para as mudanças comportamentais necessárias para prevenir e mitigar o efeito das alterações climáticas e apoiar a integração dos refugiados na Europa. “Se tentarmos solucionar as necessidades psicológicas das pessoas e os grandes desafios apenas no nosso país, nem no nosso país conseguiremos fazê-lo. É por isso que precisamos de partilhar e discutir [estas questões] a nível europeu”, argumentou o bastonário da OPP, Francisco Miranda Rodrigues, na abertura do encontro em Bruxelas - que reuniu na semana passada representantes de associações profissionais de vários países, eurodeputados e responsáveis da Comissão Europeia.

Enquanto “especialistas no comportamento humano”, “podemos contribuir de forma decisiva nas questões relacionadas com as alterações climáticas”, exemplificou o bastonário no encontro - que foi promovido com o apoio da eurodeputada Sofia Ribeiro. Damien Meadows, da Direcção-Geral da Acção Climática da Comissão Europeia, concordou com esta perspectiva, sublinhando que “é preciso ajudar as empresas a caminhar nas direcções certas”. 

Numa altura em que a saúde mental é "uma prioridade", o comissário europeu para a Saúde, Vytenis Andriukaitis, enfatizou a necessidade de “uma abordagem holística" e lembrou que “os psicólogos estão a desempenhar um papel vital no tratamento não-medicinal”. 

Num mundo em acelerada mudança, são necessárias “soluções fora da caixa”, propôs Margarida Gaspar de Matos, professora catedrática da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa. Hoje, os psicólogos devem mesmo assumir-se como “activistas”, sugeriu. Porquê? Porque a aposta no crescimento económico imparável “tem um custo” - afecta o ambiente e é “um problema circular e perigoso, com um enorme impacto no bem-estar das populações”.

Convencida de que é possível avançar com "planos de modificação comportamental de larga escala", levando a que os cidadãos (e as instituições) mudem e se preocupem mais com o ambiente, a investigadora acentua que esta é uma questão fulcral “para que todos possamos sobreviver”.

Mais: os psicólogos podem colaborar com os governos nesta tarefa na definição de estratégias globais, de forma a envolver também o poder económico. E contribuir para a mobilização dos cidadãos. “Nós, como psicólogos, sabemos como ouvir as pessoas, os seus sonhos e medos, e como envolvê-las em acções criativas e transformadoras”, sintetizou Margarida Gaspar de Matos.

Integração dos refugiados

Outra área em que o papel dos psicólogos pode ser central é o da integração dos refugiados. Lembrando que a população de refugiados na Europa já tem uma dimensão considerável e que "não pode ser abordada com poucos especialistas", Bruno Brito, da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, disse que a psicologia pode "ajudar a sociedade a compreender que a integração é um processo que pode demorar muitos anos" e que "não é apenas uma questão de aprender uma nova língua" e conseguir um emprego.

“Compreender em 'quê' e 'porquê' as pessoas são diferentes é determinante para a aceitação e integração. Os psicólogos podem dar uma significativa contribuição para o movimento de integração dos refugiados na Europa", advogou.

Mas o papel desta profissão que ainda é jovem e pouco valorizada em Portugal, como admite o bastonário da OPP, pode ser bem mais abrangente. “Estamos preparados para o desaparecimento de milhões de empregos e para lidar com as novas adicções? Teremos psicólogos suficientes para lidar com isto?”, perguntou, a propósito, Katarina Ivankovic- Kneevic, da Direcção-Geral  do Emprego e Assuntos Sociais da Comissão Europeia.

Comparando o que faz hoje com aquilo que fazia há apenas dez anos, Ângela Carter, da Associação Europeia da Psicologia do Trabalho e das Organizações, acentuou que "a complexidade e a intensidade" do trabalho é actualmente muito superior, o que constitui também um desafio para a psicologia. “Temos menos tempo, fenómeno que afecta o processo de tomada de decisões, que piora”, disse. E defendeu que é necessário investir “num modelo de liderança engajada”, numa altura em que o "trabalho atípico ou não regulado" continua a aumentar. “Muitos relatórios dão conta de um número recorde de pessoas empregadas, mas poucos divulgam dados sobre a qualidade do trabalho”, lamentou.

Para Óscar Cortijo, vice-presidente do Colégio Oficial de Psicólogos de Valência, estes especialistas vão ser fulcrais para a economia europeia nos próximos anos, nomeadamente pelo papel que estão aptos a desempenhar "nos desafios que a inteligência artificial coloca". Uma mais-valia reconhecida e destacada pelo comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, com quem o bastonário e a delegação da OPP se reuniu à margem da iniciativa (o grupo também se encontrou com o comissário europeu responsável pela Acção Climática e Energia, Miguel Arias Cañete).Frisando que a psicologia “vai muito para além da psicologia clínica”, Carlos Moedas considerou que estes profissionais “têm um papel relevante na definição das políticas públicas em temas como a Inteligência Artificial ou a robotização”.

O PÚBLICO esteve em Bruxelas a convite da Ordem dos Psicólogos Portugueses