Oito mulheres assassinadas só em Janeiro

Durante o mês de Janeiro, oito mulheres perderam a vida, em casa, de forma violenta.

Em 2017, as mulheres mortas num quadro de violência doméstica foram homenageadas no Porto
Foto
Em 2017, as mulheres mortas num quadro de violência doméstica foram homenageadas no Porto Manuel Roberto

5 de Janeiro – Assassínio e suicídio

Eram 12h03 do dia 5 de Janeiro quando o Comando Distrital de Operações de Socorro de Faro recebeu um pedido para “abertura de porta com socorro”. Ao chegar à morada indicada, em Lagoa, os bombeiros encontraram o corpo de um homem, junto ao qual estava uma caçadeira. A alguma distância estava a mulher, de 48 anos, também morta. A investigação concluiu que o homem assassinara a companheira com quem vivia há mais de um ano, suicidando-se em seguida, provavelmente, ainda durante a noite. O homicida, segundo testemunhas, seria agressivo e ciumento.

7 de Janeiro – Disputa por uma casa

Uma mulher de 46 anos morreu no hospital da ilha Terceira, nos Açores, depois de ter sido espancada por um cunhado. O homicida pretenderia expulsar a cunhada da casa que pertencera à mãe dele, falecida pouco tempo antes, numa altura em que o marido da vítima e irmão do agressor estaria detido. Acompanhado de um amigo, invadiu a habitação durante a madrugada e espancou a mulher, a soco e pontapé. A vítima ainda foi socorrida mas não resistiria aos ferimentos.

11 de Janeiro – Três mortes num só dia

Vera, de 30 anos, foi brutalmente espancada em casa, em Almada, a 11 de Janeiro. Apesar dos ferimentos graves ainda conseguiu arrastar-se até às escadas da casa, onde foi encontrada por uma vizinha. Transportada para o Hospital Garcia de Orta, extremamente desfigurada pelas agressões, acabaria por morrer ali. O agressor ou agressores não foram ainda detidos, suspeitando-se de um crime passional.

No mesmo dia, no Alandroal, um homem na casa dos 80 anos matou a tiro a mulher e a cunhada, com idades similares. O homicida tentou suicidar-se com a mesma arma no local, mas ainda foi transportado com vida para o hospital, onde acabaria por morrer, horas depois.

17 de Janeiro – Casal encontrado morto

A meio do mês, um caso similar ao de Lagoa acontecia no Dafundo, Oeiras. Pouco depois das 16h, as autoridades foram chamadas à casa de um casal, com cerca de 70 anos. O alerta terá sido dado pela filha de ambos, que encontrou os cadáveres, com ferimentos de bala. A arma encontrava-se no local e no próprio dia a PSP apontava para a possibilidade de se estar de um homicídio seguido de suicídio, perpetrado pelo marido. As discussões entre o casal seriam frequentes.

27 de Janeiro – Agredida até à morte

Já passava das 23h30 daquele domingo quando o corpo de uma mulher brasileira, de 48 anos, com sinais de agressões violentas foi encontrado, sem vida, na casa onde morava, em Santarém. O alerta para as autoridades foi dado por um vizinho, acordado com pancadas na porta por um homem que disse ter encontrado a vítima já sem vida, depois de se ter deparado com a porta da rua aberta. A brasileira, mãe de dois filhos, residia naquele local há cerca de dez anos e trabalhara em casas de diversão nocturna, suspeitando-se que se dedicaria à prostituição na casa em que morava e onde foi assassinada.

31 de Janeiro – Morta pelo ex-namorado

O corpo de uma jovem de 25 anos foi encontrado em casa, em Moimenta da Beira, na manhã do dia 31 de Janeiro. A mulher, mãe de dois filhos com dois e cinco aos, terá tido uma discussão com o ex-namorado, de 26 anos, que a atacou com uma faca, deixando-lhe ferimentos profundos no pescoço e no peito. O homicida foi detido e terá confessado o crime.