IPO recebeu mais de 10 mil novos doentes num ano. Novo portal lançado hoje

Em 2017, o IPO de Lisboa realizou 258 mil consultas, 6800 cirurgias, 90 transplantes. Por ano, o instituto segue 57 mil doentes. Novo portal permite aceder a informação sobre a doença, tratamentos e investigação.

Um dos novos aceleradores lineares do IPO, para tratamentos de radioterapia
Foto
Um dos novos aceleradores lineares do IPO, para tratamentos de radioterapia RG Rui Gaudencio

Só em 2017 o IPO de Lisboa recebeu mais de 10 mil novos doentes e realizou 45.300 primeiras consultas. O número de casos de cancro está a aumentar, alerta o instituto, num comunicado onde apresenta o seu no portal na internet, lançado esta segunda-feira, no Dia Mundial da Luta Contra o Cancro.

“Em Portugal, a prevalência do cancro está a aumentar e o número de doentes em tratamento no IPO Lisboa também”, refere o IPO no seu novo portal, que permite aceder de forma mais fácil a informação sobre vários tipos de cancro, tratamento e investigação que está a ser desenvolvida na unidade. Em 2017, o IPO de Lisboa realizou 258 mil consultas, das quais 45.300 foram primeiras consultas, 6800 cirurgias, 90 transplantes. Por ano, o instituto segue 57 mil doentes.

Em relação à oncologia pediátrica — “o maior e o mais antigo serviço de oncologia pediátrica do país e uma das unidades de oncologia pediátrica multidisciplinares mais antiga do mundo”, salienta o IPO no site —, por ano a instituição lisboeta recebe uma média de 200 novo casos e tem em tratamento cerca de 400 crianças. “As leucemias e os tumores do sistema nervoso central são as doenças mais frequentes na criança e representam, no seu conjunto, cerca de metade dos casos recebidos no serviço.”

Esta segunda-feira assinala-se o Dia Mundial da Luta Contra o Cancro, data escolhida pelo IPO de Lisboa para lançar o seu novo portal na internet. Uma nova imagem “com os valores de sempre”, diz o hospital, que refere que o novo site “procura dar resposta a necessidades identificadas pelos doentes e pelo público e reforçar a ligação a outras unidades de saúde, a centros de investigação e ao tecido social e empresarial”.

Todos os conteúdos estão feitos de forma a estarem acessíveis nos telemóveis, tablets e computadores e poderem ser partilhados em várias redes sociais. O IPO adianta que terá brevemente “acesso a uma nova funcionalidade, ainda em desenvolvimento, que permitirá aos doentes obter informação sobre consultas e exames marcados, relatórios médicos, declarações de presença, entre outros documentos”.

A nova imagem do IPO, que passa também por um logótipo renovado, será divulgada esta semana em mupis espalhados por Lisboa, em espaços cedidos pela autarquia.