Achados arqueológicos em obras na frente de mar na Horta

Em causa está a descoberta de "umas ossadas e alicerces junto à Igreja das Angústias", bem como "os alicerces de um antigo coreto" no Largo do Infante.

Foto
Sebastiao Almeida

A descoberta de alguns achados arqueológicos durante as obras da frente-mar da cidade da Horta fez atrasar os trabalhos que, entretanto, já retomaram o ritmo normal, explicou esta segunda-feira o presidente da autarquia açoriana, José Leonardo Silva.

"A equipa de arqueólogos encontrou umas ossadas e uns alicerces junto à Igreja das Angústias, que foram preservados, e no Largo do Infante ainda existe um acompanhamento a prosseguir, porque foram encontrados os alicerces de um antigo coreto", explicou o autarca em declarações aos jornalistas durante uma visita ao local, admitindo que este processo "atrasa, um pouco, as obras".

Apesar disso, o presidente da Câmara Municipal da Horta garante que os prazos para a conclusão da primeira fase dos trabalhos, orçada em 1,4 milhões de euros, vão ser cumpridos por parte do empreiteiro a quem foi adjudicada a obra.

"As obras em frente à estalagem [Pousada de Santa Cruz] vão ficar concluídas no final de Fevereiro e o adro das Angústias irá estar concluído aquando da festa de Nossa Senhora das Angústias, no começo de Junho, garantiu José Leonardo Silva, recordando que "era esse o compromisso" que o município tinha com o empreiteiro.

Segundo o autarca, a única obra que poderá atrasar em relação à data inicialmente prevista, é a remodelação do largo do Infante, a principal sala de visitas da cidade, intervenção que não deverá ficar concluída a tempo de receber, no início de Agosto, os principais festejos concelhios, a Semana do Mar.

Também a decorrer a bom ritmo estão as obras de construção do parque de estacionamento, com três pisos e espaço para 140 viaturas, que está a ser edificado na Rua de São João e que pretende concentrar o parqueamento de viaturas no centro da cidade.

A autarquia está também a concluir os procedimentos necessários para o lançamento do concurso da segunda fase de requalificação da frente-mar, que pretende alterar o aspecto paisagístico de toda a orla costeira da cidade, obra em que o município prevê investir, no total, cerca de dez milhões de euros.

Sugerir correcção