O Super Bowl foi dos Patriots, o intervalo dos Maroon 5

A final da liga profissional de futebol norte-americano aconteceu neste domingo e coroou os New England Patriots como vencedores. O espectáculo atrai todos os anos milhões de espectadores — o que se reflecte no preço pago pelos anúncios do intervalo.

Fotogaleria
Reuters/MIKE SEGAR
Fotogaleria
Reuters/KEVIN LAMARQUE

Os New England Patriots juntaram-se no domingo aos Pittsburgh Steleers na liderança do ranking de vitórias no Super Bowl, ao vencerem o sexto face aos Los Angeles Rams, por 13-3, em Atlanta.

No Super Bowl com menos pontos da história, o conjunto de Bill Belichick (treinador) e Tom Brady (quarterback) repetiu os triunfos de 2002, 2004, 2005, 2015 e 2017 na final da Liga norte-americana de futebol americano. Os Patriots, que jogavam o Super Bowl pela 11.ª vez, um recorde, em 53 edições, tendo perdido em 1986, 1997, 2008, 2012 e 2018, já haviam batido os Rams (20-17) na final de 2002.

O evento, que tem fama mundial ​também pelas audiências que consegue juntar, é uma mina para o canal CBS, que transmite o encontro e cobra cinco milhões de doláres (quase 4,4 milhões de euros) por cada 30 segundos de anúncio. 

Durante o intervalo há também uma actuação, com grandes estrelas da música a animarem o público do estádio. Este ano, a banda Maroon 5 foi a estrela do intervalo. Pela voz do vocalista Adam Levine, os Maroon 5 tocaram os seus maiores êxitos, desde This love a She will be loved ou Girls like you. Ainda assim, a tentativa da banda de encaixar nove canções em 13 minutos valeu-lhes críticas por terem sido incoerentes e por não terem criado grande ligação com a audiência.

A final da liga profissional de futebol norte-americano (NFL) é o maior evento desportivo do ano e atrai todos os anos mais de 100 milhões de pessoas, tanto no estádio como pelo mundo fora. 

Sugerir correcção