Francisco é o primeiro Papa a pisar o berço do Islão

O Papa Francisco chegou este domingo aos Emirados Árabes Unidos e mostrou preocupação com a crise humanitária no Iémen.

Papa Francisco recebido por Mohammed bin Zayed Al-Nahyan, príncipe herdeiro de Abu Dhabi
Foto
Papa Francisco recebido por Mohammed bin Zayed Al-Nahyan, príncipe herdeiro de Abu Dhabi Reuters

O Papa Francisco chegou este domingo aos Emirados Árabes Unidos, tornando-se o primeiro líder da Igreja Católica a pisar o solo da península arábica, berço do Islão.

Antes de partir para os Emirados, Francisco pressionou as partes envolvidas na guerra do Iémen “para favorecerem de modo urgente o respeito dos acordos” para uma trégua em Hodeida (oeste), essencial para a distribuição de ajuda internacional.

Os Emirados Árabes Unidos participam na coligação internacional liderada pela Arábia Saudita que ajuda militarmente o governo iemenita na luta contra os rebeldes huthis, apoiados pelo Irão.

“Acompanho com grande preocupação a crise humanitária no Iémen. A população está esgotada pelo longo conflito e muitas crianças passam fome. O grito destas crianças e dos seus pais eleva-se perante Deus”, disse o Papa no Vaticano.

Francisco também divulgou uma mensagem na rede social Twitter afirmando deslocar-se aos Emirados “como um irmão para escrever em conjunto uma página de diálogo e percorrer em conjunto os caminhos da paz”.

A visita deverá ser dominada pelo diálogo entre as religiões. O Papa participa na segunda-feira numa conferência sobre o diálogo inter-religioso, uma iniciativa patrocinada pelo Conselho de Anciãos Muçulmanos, com sede nos Emirados, que visa combater o fanatismo religioso e promover uma postura moderada do Islão.

Na terça-feira, Francisco celebra uma missa histórica num grande estádio de Abu Dhabi, para a qual são esperados mais de 130 mil  fiéis.

Cerca de um milhão de católicos – a maioria imigrantes asiáticos – vive nos Emirados, país cuja população é constituída por mais de 85% de expatriados, e podem praticar a sua religião em oito igrejas.

Desde o início do seu pontificado, o papa já se deslocou a vários países cuja população é maioritariamente muçulmana, como o Egipto, o Azerbaijão, o Bangladesh e a Turquia. Em Março é esperado em Marrocos.