Crítica

Se todas as despedidas fossem como a de Joan Baez, não cansaria dizer adeus

No único concerto em Portugal da sua longa digressão de despedida, Joan Baez mostrou-se altiva e enérgica, a lidar como nunca com as limitações naturais da voz. Um portento.

Foto
Joan Baez no Coliseu de Lisboa NUNO FERREIRA MONTEIRO

Em 2018, aos 77 anos, Joan Baez acrescentou um novo disco (Whistle Down The Wind) à sua longa discografia e iniciou uma digressão mundial de despedida dos palcos a que chamou Fare Thee Well Tour e que deverá, pelo que tem sido dito, prosseguir até 2020. E essa digressão é intensa, não suave. Só em 2018, entre Março e Novembro, ela deu 84 concertos na Europa e nos Estados Unidos (no Olympia de Paris teve até uma temporada de dez concertos consecutivos, de 4 a 17 de Junho). Intervalando em Dezembro e Janeiro, o primeiro concerto de 2019 deu-o em Portugal, no Coliseu dos Recreios. E, ao contrário do que sucedera em 2010 e 2015, quando por cá se apresentou, não foi sequer ao Porto porque tinha, logo a seguir (3, 4 e 5 de Fevereiro), três noites reservadas no Olympia.

O que difere, essencialmente, nesta Fare Thee Well Tour, para além de se afirmar como derradeira (deixando as digressões antes dos 80 anos), é a pose e o empenho. Melhor do que a víramos em 2010, no mesmo Coliseu, há nela uma inesperada jovialidade que se espelha na forma como lida com o envelhecimento natural da voz. Em lugar de surgir, ali, como uma cantora idosa numa despedida a contragosto, Joan Baez mostra-se altiva e enérgica, como se não lhe pesassem mais do que duas décadas de carreira (e na verdade já lá vão 6 décadas, feitas agora, desde a sua primeira actuação regular em clubes folk).

Vestida sobriamente, de azul-escuro, sem os panos ou lenços coloridos de outros anos, Joan começou por saudar Portugal e o público português antes de se lançar à primeira das 23 canções que ouviríamos na noite. Com ela, sempre a acompanhar-se à guitarra, os companheiros habituais destas viagens: Dirk Powell (bandolim, banjo, violino, baixo, guitarras), o seu filho Gabriel Harris (bateria e percussões) e a jovem cantora Grace Stumberg (voz).

PÚBLICO -
Foto
NUNO FERREIRA MONTEIRO

Começou com Dylan, que ela enalteceria mais tarde (dizendo que o cantava muito porque “ele é o melhor”), e assim ouvimos Don’t think twice, It’s allright, que podia ser também uma forma de designar esta digressão de despedida. There but for fortune, de Phil Ochs, trouxe-nos a sombra das misérias do mundo e a declaração de que, no meio delas, Baez é uma afortunada (“I’m the lucky one”, comentou). Farewell Angelina (ainda Dylan), abriu caminho a duas canções do novo álbum, Whistle down the wind (de Kathleen Brennan e Tom Waits) e Silver blade (Josh Ritter), onde a violência exercida sobre uma mulher tem um desfecho inesperado, virando-se depois a faca contra o agressor e aniquilando-o.

It ain’t me babe (Dylan) antecedeu Deportee (plane wreck at Los Gatos), que Woody Guthrie compôs com Martin Hoffman após um acidente aéreo em 1948 onde imigrantes mexicanos que iam a bordo sofreram maus tratos das autoridades americanas, antes e depois do acidente (“não serão tratados pelos vossos nomes quando forem no grande avião, chamar-vos-ão apenas deportados”); uma lembrança actual, com o muro de Trump por “cenário”. Vieram depois Diamonds & rust (escrita por Baez) e duas canções de Kris Kristofferson, Me & Bobby McGee (mais inspirada na poderosa versão que dela fez Janis Joplin do que na do próprio autor, e aqui Grace Stumberg teve direito a um notável solo) e Hello in there. Another world (de Antony Hegarty) antecedeu, e bem, a Grândola vila morena de José Afonso, que ela se habituou a cantar (é a única canção portuguesa que decorou, diz sempre), embora não na íntegra.

Depois da celebração do povo e dos seus poderes, um aviso para maus tempos que virão: A hard rain's a-gonna fall (Dylan). E a recordação de Obama em The President sang Amazing Grace. Por fim, uma sequência heterogénea: Donna, donna (Aaron Zeitlin e Arthur Kevess), Joe Hill (Phil Ochs), House of the rising sun (Tim Hardin), Darling Corey (numa evocação de Pete Seeger) e Gracias a la vida (Violeta Parra). Nos dois encores, exigidos a muitos aplausos, ouvimos primeiro Imagine (de John Lennon), com Baez a tornar plural o que designava singular (“you may say we are dreamers”) e Here’s to you (escrita por ela em memória de Sacco e Vanzetti).

A fechar, Forever young (Dylan, de novo) e The boxer (de Simon & Garfunkel). À insistência do público para que continuasse, respondeu Baez com as mãos juntas, a apoiar o rosto inclinado, como se dissesse: eu vou dormir, vocês também. Se todas as despedidas fossem como esta, de Joan Baez, não cansaria dizer adeus. Vimos e ouvimos uma cantora pacificada com a voz, a manter o essencial do antigo timbre em soluções vocais de invulgar acerto e extremo bom gosto. Vimos, em suma, o que fazem 60 anos de canções e palcos quando se consegue, com sabedoria, evitar a sombra da decadência.

As palavras de Dylan em Forever young, quase uma oração, podiam ser para ela: “Que Deus te abençoe e guarde sempre/ Que todos os teus desejos se tornem realidade/ Que cuides sempre de outros/ E deixes outros cuidar de ti/ Que construas uma escada para as estrelas/ E subas cada um dos degraus/ Que fiques para sempre jovem.” E ficará.