Construção do futuro Hospital de Lisboa Oriental tem oito interessados

O novo hospital de Lisboa deverá estar construído em 2023 e vai contar com, pelo menos, 875 camas. A fase seguinte do processo será de análise e avaliação das propostas.

Foto
PAULO PIMENTA

Oito empresas apresentaram propostas no concurso público internacional para a construção e manutenção do futuro Hospital de Lisboa Oriental (HLO), anunciou hoje à Lusa a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT).

O concurso terminou a 31 de Janeiro e apresentaram propostas os seguintes concorrentes: Servicios Hospitalarios CHUT, Agrupamento Hygeia, Alberto Couto Alves, SA, Tejo Infraestruturas Hospitalares (TIH), Ferrovial Agroman, SA, Ferrovial Serviços SA, Bastos, Amorim & Araújo -- Consultoria e Trading, Lda e Teixeira Duarte -- Engenharia e Construções, SA.

Segundo uma nota da ARSLVT enviada à Lusa, o surgimento de oito propostas candidatas "atesta a boa receptividade do projeto junto dos proponentes".

"Enquanto entidade que coordena o processo, a ARSLVT congratula todos os intervenientes pela conclusão de mais uma etapa num processo que se caracteriza pela grande complexidade e salienta em especial o grande interesse demonstrado por todos os concorrentes", adianta a mesma nota informativa.

A fase seguinte do processo será de análise e avaliação das propostas. Segue-se a fase de negociação do concurso em que poderão passar um máximo de três finalistas, dos quais será escolhida a proposta a adjudicar.

A ARSLVT salienta que o futuro Hospital de Lisboa Oriental irá pautar-se pelos "mais elevados standards de qualidade, quer em termos tecnológicos, quer em termos de organização e oferta de cuidados".

O concurso público internacional em curso visa a concepção, construção e manutenção do Hospital de Lisboa Oriental, em regime de Parceria Público-Privada, a instalar em Marvila numa área total de 180.000 metros quadrados.

De acordo com o ARSLVT, o novo hospital de Lisboa deverá estar construído em 2023 e terá uma capacidade mínima de 875 camas. O HLO vai representar para o operador privado um investimento total de cerca de 330 milhões de euros e, para o Estado, estima-se uma renda anual que poderá rondar os 16 milhões de euros durante os 27 anos do contrato.