Corpo de Savimbi exumado – funeral do líder histórico da UNITA pode ser em Abril

Foram retiradas amostras para exames de ADN que devem confirmar a identidade do corpo. Partido aponta para primeira semana de Abril para a cerimónia fúnebre.

Foto
na sequência da morte de Savimbi, em 2002, apoiantes da UNITA fizeram uma cerimónia em frente ao Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa Rui Gaudêncio/Arquivo

Jonas Savimbi foi morto em combate a 22 de Fevereiro de 2002, e enterrado no cemitério de Luena, na província do Moxico, sem qualquer cerimónia, depois de o seu corpo ter sido filmado e mostrado nas televisões do mundo inteiro. Nunca a UNITA teve a oportunidade de fazer um funeral ao seu líder. É isso que agora espera conseguir agora.

As cerimónias fúnebres do fundador da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), o grupo que Savimbi fundou e com o qual fez a guerra da independência contra Portugal e depois a guerra civil, contra o MPLA, devem realizar-se a a 6 de Abril, em Lopitanga na província do Bié, disse à rádio Voz da América Araújo Kacyke Pena, sobrinho de Savimbi.

Ontem, realizou-se uma cerimónia de exumação e recolha de amostras de ADN dos restos mortais de Savimbi, disse à Lusa o porta-voz do maior partido da oposição angolano, Alcides Sakala. O exame de ADN, para identificação segura do corpo, será feito por técnicos portugueses, sul-africanos e angolanos, nos respectivos países. “Os técnicos vão começar a trabalhar”, disse o porta-voz da UNITA.

Os testes devem demorar entre 15 a 20 dias a ficar prontos, diz a rádio Voz da América.

O Presidente angolano, João Lourenço, prometeu empenhar-se pessoalmente no processo de exumação do corpo do antigo líder da UNITA, que tinha ficado à guarda do Estado. O processo, no entanto, tinha sido iniciado no final de 2014, por José Eduardo dos Santos.