Opinião

Contra os muros

Não há alternativa feliz à união na diferença. Fora desta só podem existir dominadores e dominados.

1. A fraternidade de horizonte universalista é de origem cristã. Basta abrir o Novo Testamento. O Evangelho de S. Marcos atribui a loucura de fazer família com quem não era da família ao próprio Jesus de Nazaré. S. Lucas vê no Espírito do Pentecostes o começo da autêntica união na diferença. Para S. Paulo, os que foram banhados no Espírito de Cristo devem testemunhar que o mundo de separações e privilégios acabou: não há nem judeu nem grego, escravo ou livre, homem ou mulher. Mais ainda, a humanidade inteira é um só corpo de muitos membros, uma comunidade de muitos carismas. Foi o tema paulino de domingo passado e é, também, o deste domingo. As metáforas usadas convergem num ponto: as pessoas precisam todas umas das outras para afirmarem a própria identidade, pois esta é uma identidade de relação e não de isolamento.

Cristo, o Homem Novo, derrubou os muros de separação, estabelecendo a paz e a amizade. Judeus e gentios são concidadãos na família de Deus. Esta afirmação da carta aos Efésios é de alcance universal, para todos os tempos e para todos os povos.

Dir-se-á: são metáforas, artes de falar e não de realizar. De facto, não são receitas, mas não são inócuas. São caminhos, são pontes e devem constituir testemunhos de que outro mundo é possível.

O Papa Francisco, ao insistir, com ênfase, na reabilitação da política, toca numa urgência. Quando alguém diz não quero nada com a política, está a tornar-se sua vítima. O melhor talvez seja trabalhar na sua modificação.

No discurso aos participantes do segundo Encontro Mundial dos Movimentos Populares, o Papa observa [1]: Queremos uma mudança positiva em benefício de todos os nossos irmãos e irmãs – disto estamos certos! Queremos uma mudança que se enriqueça com o trabalho conjunto entre governos, movimentos populares e outras forças sociais. Também sabemos isto! Mas não é assim tão fácil definir o conteúdo da mudança, ou seja, o programa social que reflicta este projecto de fraternidade e justiça que desejamos; não é fácil de o definir. Neste sentido, não esperem uma receita deste Papa. Nem o Papa nem a Igreja têm o monopólio da interpretação da realidade social e da proposta de soluções para problemas contemporâneos. Atrever-me-ia a dizer que não existe uma receita. A História é construída pelas gerações que se vão sucedendo no horizonte de povos que avançam, fazendo o próprio caminho e respeitando os valores que Deus lhes pôs no coração.

Se não sabe e não recorre à infalibilidade ou ao magistério da Igreja, porque não se cala?

Não só não se cala, como ousa dizer coisas atrevidas. Os seres humanos e a Natureza não devem estar ao serviço do dinheiro. Digamos NÃO a uma economia de exclusão e de desigualdade, em que o dinheiro reina em vez de servir. Esta economia mata! Esta economia exclui. Esta economia destrói a mãe Terra.

A economia, continuou o Papa, não deveria ser um mecanismo de acumulação, mas a condigna administração da casa comum. Isto implica cuidar zelosamente da casa e distribuir, de forma adequada, os bens de todos. A sua finalidade não é apenas garantir alimento ou um decoroso sustento. Não é sequer, embora fosse já um grande passo, garantir o acesso aos 3T pelos quais combateis. Uma economia verdadeiramente comunitária – poder-se-ia dizer, uma economia de inspiração cristã – deve garantir aos povos dignidade, prosperidade e civilização nos seus múltiplos aspectos. Implica acesso à educação, à saúde, à inovação, às manifestações artísticas e culturais, à comunicação, ao desporto e à recriação.

2. É uma posição que se prende com a crença no destino universal dos bens. Que o ser humano não tem preço, mas valor, já Kant o disse. Por outro lado, uma sabedoria ética muito antiga propunha: não faças aos outros o que não gostarias que te fizessem a ti, ou até, em sentido positivo, faz aos outros o que gostarias que te fizessem a ti, em idênticas circunstâncias.

Há muita queixa contra Deus por ter o mundo nesta situação. Não poderia Ele com um golpe de vontade resolver todos os problemas e mandar-nos a todos para férias? Não me cabe a mim defender Deus. Parece que não está disposto a substituir os seres humanos.

Acontece que na Bíblia há passagens nas quais é Deus que interroga. No Génesis é Ele que pergunta a Caim: O que fizeste do teu irmão? Na simbólica do juízo final, o senhor da história julga os seres humanos não pelo que fizeram a Deus, mas pelo que fizeram, ou não fizeram, aos outros em situações de precariedade. Deus identifica-se com estes. Tomás de Aquino dirá: ninguém ofende Deus directamente, mas os seus filhos, os nossos irmãos.

A ética cristã é de marca samaritana, não sacerdotal. O sacerdote e o levita não podiam socorrer o próximo para não estarem impuros no divino culto do templo!

3. Em nome da identidade nacional, está a desenvolver-se um espírito de exclusão do outro, como uma ameaça à nossa segurança e bem-estar. Perdeu-se a fraternidade que se começou a ganhar no início do cristianismo, o esforço para não contrapor unidade e diversidade. Tanto a unidade como a diversidade são uma realidade de irmãos, o que não significa que se vão dar sempre como Deus e os Anjos. Mas não há alternativa feliz à união na diferença. Fora desta, só podem existir dominadores e dominados. É a alternativa perversa. Para o aparente bem-estar de uns tem de se fazer a desgraça dos outros.

A proposta cristã de fraternidade exige a conversão do cristianismo. As Cruzadas e a Inquisição, em nome de Cristo, revelam que o melhor se pode transformar no pior. A conversão das religiões que vivem o mesmo vício: o êxito de uma é a desgraça das outras. A fraternidade exige também a conversão da política, dos seus objectivos e dos seus métodos.

Se a proposta de um mundo fraterno, como já referimos, é de origem cristã, significa que não é propriedade de ninguém, mas um apelo universal. Muitas vezes as “fraternidades”, religiosas ou não, comportam-se como tribos de exclusão: quem é e quem não é da nossa fraternidade.

Na trilogia da revolução francesa Liberdade, Igualdade e Fraternidade, a última parece também a irmã mais esquecida. A Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) afirma que os seres humanos devem agir uns em relação com os outros, num espírito de fraternidade. Só esta os pode salvar.

A febre de construção de muros é um atentado contra a civilização. 

[1] Papa Francisco, Terra Casa Trabalho, Temas e Debates, 2018, pp 50-53