Obra de Banksy roubada de sala que sofreu ataque terrorista em Paris

Bataclan já expressou “profunda indignação” com o roubo. Pintura estava numa saída de emergência por onde escaparam muitos sobreviventes.

Foto
A pintura na saída de emergência do Bataclan JULIEN DE ROSA/EPA

Uma obra do artista britânico Banksy que homenageava as vítimas dos atentados terroristas de Paris há três anos foi roubada na noite de sexta-feira para sábado. A pintura tinha sido executada numa porta da sala de concertos Bataclan, numa das saídas de emergência por onde escaparam muitos sobreviventes ao ataque extremista que fez 90 vítimas.

Os responsáveis pelo Bataclan expressaram no Twitter “uma profunda indignação” com o roubo desta obra que representa uma mulher cabisbaixa, triste, com o rosto coberto por um véu, provavelmente uma mulher muçulmana. “A obra de Banksy, símbolo de recolhimento e que pertencia a todos –​ residentes, parisienses e cidadãos do mundo –​, foi-nos roubada.”

A sala foi atacada durante um concerto de rock na noite de 13 de Novembro de 2015. O ataque coordenado em vários locais de Paris fez 130 vítimas.

A obra mural de Banksy, que mantém a sua identidade secreta e viu recentemente uma pintura ser licitada por um milhão de libras num leilão da Sotheby’s, foi feita no ano passado em Junho. O artista publicou uma imagem no Instagram, como costuma fazer para autenticar a sua produção anónima.

“A própria essência da arte urbana é dar vida a uma obra de arte num ambiente particular e estamos convencidos de que esta obra só tem sentido aqui”, escreve a equipa do Bataclan, sublinhando que na rua estava acessível a todos.

Segundo o jornal francês Libération, o roubo, filmado por câmaras de vigilância, foi executado em dez minutos por três homens que desmontaram a porta e fugiram num camião.