Sindicato dos Jornalistas repudia insultos ao FC Porto na Benfica TV

Valdemar Duarte apelidou os "dragões" de "corja" na meia-final da Taça da Liga. Conselho Deontológico pede medidas sancionatórias à Comissão para a Carteira Profissional de Jornalista.

Foto
Comentários de comentador da BTV desagradaram alguns telespectadores oxi oxana ianin

O Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas emitiu, esta sexta-feira, uma nota em que repudia os comentários proferidos por Valdemar Duarte, comentador da Benfica TV (BTV), no relato do jogo Benfica-FC Porto, a contar para a meia-final da Taça da Liga

"O Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas condena de forma veemente e categórica o teor ofensivo e injurioso de expressões usadas pelo jornalista Valdemar Duarte", começa por dizer o comunicado que afirma, ainda, que "ao usar esta linguagem grosseira e incivilizada", o jornalista "renegou os princípios deontológicos a que o exercício da profissão o obriga, bem como violou as regras mínimas de vida em sociedade". 

Durante o comentário ao jogo entre "águias" e "dragões", Valdemar Duarte teceu vários comentários ofensivos para o emblema portista, chegando a apelidar o FC Porto de "corja", referindo-se ao atraso do plantel portista na entrada para o relvado. "Cinco minutos depois de a equipa do Benfica estar alinhada para entrar no campo, chegou a corja do FC Porto. O jogo começa às 19h52. Esta gente do Porto faz isto sempre", foi um dos comentários que desencadeou a indignação de alguns telespectadores que assistiam à emissão do canal da Luz.

Para além do tratamento menos próprio antes do apito inicial, o jornalista continuou com os insultos, chegando a afirmar que Luís Gonçalves, director geral para o futebol do FC Porto, era um "engenheirinho de metro e meio". Os defesas Felipe, Alex Teles e Pepe também foram apelidados de "bandidos-mor". 

Para além do jornalista Valdemar Duarte, também a BTV é criticada na nota do Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas, afirmando que o canal "desrespeitou a responsabilidade social que lhe assiste, ao não se ter demarcado da atitude assumida pelo jornalista sob o seu título".

Por último, o Conselho Deontológico pede à Comissão para a Carteira Profissional que tome as medidas sancionatórias "a que o caso obriga".