Protótipo de “robô colaborativo” ajuda humanos no fabrico automóvel e de satélites

Desenvolvido pelo Inesc-Tec, no Porto, próximo passo do ColRobot passa pela industrialização.

Fotogaleria
O ColRobot ESTELA SILVA/LUSA
Fotogaleria
O ColRobot ESTELA SILVA/LUSA

Algures entre um braço robótico típico das linhas de montagem automóvel e um rover de exploração planetária, o protótipo ColRobot, apresentado esta quarta-feira no Porto, promete facilitar o trabalho de operadores humanos em várias áreas industriais.

O autómato – desenvolvido pelo Instituto de Engenharia e Sistemas de Computadores, Tecnologia e Ciência (Inesc-Tec) da Universidade do Porto e pela Renault – foi financiado em 4,3 milhões de euros por fundos europeus e permite sobretudo uma cooperação com “benefícios ergonómicos” para o operador humano, explicou à agência Lusa Germano Veiga, coordenador do projecto ColRobot.

“Há uma tendência geral do mercado para evoluir no sentido de robôs colaborativos e esta é mais uma contribuição nesse sentido”, explicou o investigador do Inesc-Tec, salientando a “colaboração mais próxima e mais intensa” deste robô que pode partilhar o espaço dentro de uma carrinha, por exemplo, em que executa “o aparafusamento de elementos em operações menos ergonómicas.”

A segurança dos trabalhadores é também reforçada, na medida em que a autonomia do braço robótico não se sobrepõe à dos sensores que reagem à presença de operadores de carne e osso e que, “de alguma forma, trabalham de modo cooperativo, no sentido de continuarem a produzir”, enquanto compensam erros humanos, como a falta de parafusos ou de outras ferramentas.

PÚBLICO -
Foto
O investigador Germano Veiga, coordenador do projeto ColRobot ESTELA SILVA/LUSA

“Essa é a grande novidade deste tipo de sistemas: serem autónomos, resilientes ao erro”, adianta o investigador, admitindo: “Na robótica, há sempre este dilema – e esta pergunta recorrente – de estarmos ou não a substituir os operadores. É um percurso que é preciso fazer, mas o importante é que este tipo de desenvolvimentos se foca naquilo que é menos interessante para ser feito pelos operadores.”

Se para Germano Veiga “a indústria automóvel é o paradigma da robotização e da automatização”, já o fabrico de satélites “é exactamente o oposto”, pelo que o projecto ColRobot poderá “trazer o robô para uma indústria que não conhecia a automação”. Segundo o especialista em robótica, “o fabrico de um satélite é tão precioso que qualquer automação tem de ser supervisionada por um operador e a natureza colaborativa do robô”.

Germano Veiga descreveu mesmo como “impensável, nos dias que correm, um autómato ou robô fazer sozinho uma operação num satélite, porque é tudo demasiado caro para se arriscar”, sendo, portanto, a área de acção ideal para a aplicação de tecnologias colaborativas.

O próximo passo, ou trajecto sobre rodas, deste robô passará pela industrialização do protótipo e de alguns dos seus componentes, a partir de um projecto de colaboração com marcas automóveis, ao que se seguirá, de acordo com o coordenador do Inesc-Tec, a fase de procura de investidores.