Foto

Margarita fartou-se do plástico e criou embalagens a partir de algas

Perante o uso excessivo de plástico descartável, Margarita Talep decidiu criar a sua própria embalagem a partir de algas e outros produtos naturais. Decompõe-se, no máximo, em quatro meses.

Farta da abundância de embalagens não-recicláveis e descartáveis usadas para guardar alimentos, a designer chilena Margarita Talep decidiu criar as suas próprias embalagens. Feitos a partir de algas e outras matérias-primas naturais, os novos invólucros são sustentáveis, biodegradáveis e assumem-se como uma alternativa ao plástico.

Embalagens de bolhas de ar, semelhantes a papel celofane, colheres, invólucros para bolachas e palhinhas são alguns dos produtos do projecto desintegra.me que, para já, "não estão a ser comercializados em grande escala, apenas numa escala artesanal", escreveu Margarita ao P3. "Já finalizámos a etapa de investigação e desenvolvimento", refere a designer. Falta, para que o produto chegue a um "público mais amplo", "fabricar as máquinas" e fazer estudos de mercado.

PÚBLICO -
Foto

A receita consiste na mistura de ágar — um polissacarídeo gelatinoso que é extraído das algas através da fervedura — com um plastificante (água, neste caso) e um aditivo, em quantidades que variam dependendo da consistência desejada. Para dar cor, Talep acrescenta corantes naturais, feitos a partir das cascas de frutas e vegetais, como amoras e cenouras.

A mistura de ágar é depois fervida a 80ºC e o líquido fundido é transferido para um molde. Quando desce para uma temperatura inferior a 20ºC, a mistura ganha uma consistência semelhante a um gel, que, ao secar, se transforma num material parecido com papel ou plástico fino.

Particularmente preocupada com o facto de usarmos materiais quase indestrutíveis uma única vez, a designer quis que a embalagem se desfizesse facilmente. Assim, o material decompõe-se em cerca de dois meses com temperaturas de Verão e em três ou quatro no Inverno, dependendo da espessura.

PÚBLICO -
Foto

Ideal para alimentos secos, a embalagem reflecte a versatilidade dos materiais derivados de algas. E, para Talep, é esse o futuro: “Eu acredito que a biofabricação vai ser uma parte importante das indústrias do futuro”, disse a designer à Dezeen. “Desde que todos os processos de extracção desta matéria-prima e a sua manufactura sejam feitos com consciência ambiental”, refere, citada no mesmo texto.

“Mas não é suficiente criar novos materiais”, avisa Margarita, que acredita que as soluções para o “gigante problema ambiental” devem “trabalhar em paralelo com outras acções”. “Diferentes nações devem implementar planos de acção para reduzir a quantidade de plástico produzido desperdiçado, através da introdução de mais projectos de economia circular, mantendo o plástico num sistema cíclico, para prevenir que ele acabe nos aterros ou no mar”, remata.

Por cá, também já há quem teste outras soluções. O Instituto Politécnico de Bragança, por exemplo, quer substituir o plástico na conservação de alimentos por um spray.