Chefs João Rodrigues e António Galapito são os grandes vencedores dos Prémios Mesa Marcada

O chef do Feitoria volta a vencer nas categorias principais e Galapito é a revelação do ano. Iniciativa do blogue de gastronomia Mesa Marcada celebra dez anos com novos prémios.

Fotogaleria
João Rodrigues, Feitoria - primeiro lugar nas categorias de chef e de restaurante Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
Restaurante Feitoria - primeiro lugar na categoria de restaurantes João Gaspar
Fotogaleria
António Galapito, Prado - Chefe Revelação do Ano e Destaque do Ano Ricardo Lopes
Fotogaleria
Restaurante Prado em destaque Ricardo Lopes
Fotogaleria
Epur de Vincent Farges, o Restaurante Novo do Ano Sebastião Almeida
Fotogaleria
Lugar do Olhar Feliz, Prémio Maria José Macedo para os produtores do ano DR
Fotogaleria
Prémio Carreira para Dieter Koschina, o chefe que comanda o duas estrelas Michelin Vila Joya Sérgio Azenha

João Rodrigues, do Feitoria, o restaurante do Altis Belém, em Lisboa, alcançou, pelo terceiro ano consecutivo, o primeiro lugar nas categorias de chef e de restaurante nos Prémios Mesa Marcada: os 10 Restaurantes e os 10 Chefes Preferidos 2018. A festejar os dez anos de existência, os prémios criados pelo blogue Mesa Marcada, de Duarte Calvão e Miguel Pires, foram anunciados hoje ao início da noite numa cerimónia no hotel Ritz Four Seasons, em Lisboa.

Feitoria: João Rodrigues dá-nos a ver esta matéria que nos alimenta

A outra figura da noite foi António Galapito do também lisboeta Prado, que conquistou o Prémio Especial Makro Chefe Revelação do Ano (atribuído a um novo chef que se tenha evidenciado na classificação) e o Prémio Especial Estrella Damm Destaque do Ano, ao restaurante ou chef que se tenha destacado no top 10, onde Galapito ocupa o 6º lugar (o Prado está no 5º lugar na lista dos restaurantes).

O segundo lugar na lista dos chefs é ocupado por José Avillez (Belcanto, Café Lisboa, Cantinho, Bairro do Avillez, etc...) e o terceiro por Henrique Sá Pessoa, do Alma. Um pouco diferente é a lista dos restaurantes, que tem no segundo lugar o algarvio Ocean (enquanto o seu chef, o austríaco Hans Neuner, é o quarto mais votado) e o Belcanto, de Avillez, no terceiro lugar, logo seguido pelo Alma.

Mas, e porque as escolhas dos votantes (que este ano foram 208, uma subida considerável relativamente aos 153 do ano passado) tendem a destacar espaços de fine dining, os organizadores da iniciativa criaram o Prémio Especial Bom Sucesso Mesa Diária, para o “restaurante favorito de preço moderado que frequente regularmente ou que recomendaria a um amigo” – e este ano a escolha recaiu sobre a Taberna Sal Grosso, em Lisboa.

Para destacar um restaurante aberto mais recentemente, existe o Prémio Especial Graham’s Restaurante Novo do Ano, em que o eleito foi o Epur, de Vincent Farges (em Lisboa), que entrou directamente para o top 10, onde ocupa o 9º lugar.

Com o objectivo de valorizar outras áreas da gastronomia, o Mesa Marcada destaca também todos os anos um produtor, com o Prémio Maria José Macedo. Neste caso, a escolha é feita pelos chefs, que escolheram o Lugar do Olhar Feliz, projecto de Ann e Jean Paul Brigand, no Cercal, Alentejo, onde, entre outras coisas, têm uma extraordinária colecção de citrinos com cerca de 350 variedades vindas de diferentes pontos do mundo. Outra área é a da pastelaria, para a qual foram ouvidos 27 jurados, que escolheram o chef pasteleiro Joaquim Sousa da Ladurée/JNcQuoi.

Por fim, o destaque carreira foi para Dieter Koschina, o chef austríaco do Vila Joya, em Albufeira e, para assinalar o décimo aniversário dos prémios, criados em 2009 quando o panorama da gastronomia em Portugal era muito diferente, surge este ano outro prémio especial, atribuído a José Avillez, o chef que mais vezes chegou ao primeiro lugar (seis vezes, as mesmas como restaurante, sendo quatro delas com o Belcanto e duas com o Tavares).

Sugerir correcção