Remessas de emigrantes subiram 14% em Novembro e ultrapassam total de 2017

Em 11 meses de 2018 foram enviados para Portugal quase 3555 milhões de euros, mais do que em todo o ano de 2017. França continua a ser o principal ponto de origem.

Foto
Miguel Madeira/Arquivo

As remessas dos emigrantes aumentaram 14% em Novembro de 2018, para 323 milhões de euros, face ao mesmo mês de 2017, ultrapassando em 6,3% o total de 2017, quando falta ainda contabilizar o mês de Dezembro.

De acordo com os dados divulgados nesta segunda-feira pelo Banco de Portugal, os emigrantes portugueses enviaram, em Novembro do ano passado, 322,9 milhões de euros, o que representa uma subida de 14% face aos 283,4 milhões enviados em Novembro de 2017.

Olhando para o acumulado até Novembro, constata-se que o valor para o ano passado, 3554,8 milhões de euros, ultrapassa já em 6,3% o valor para o total do ano de 2017, ano em que os emigrantes enviaram para Portugal 3343,2 milhões de euros, faltando ainda contabilizar o mês de Dezembro, cujos dados só estarão disponíveis daqui a um mês.

Como habitualmente, em Novembro, os trabalhadores portugueses em França foram os que mais contribuíram para a subida, tendo enviado 88,3 milhões de euros, o que representa uma descida de 7,5%, mas ainda assim bem acima dos emigrantes na Suíça, o segundo maior país emissor, que enviaram 65,5 milhões, evidenciando uma subida de 9,2% face aos valores de Novembro de 2017.

No que diz respeito aos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), as remessas subiram 6,2%, de 25,8 milhões em Novembro de 2017, para 27,4 milhões de euros no mesmo mês do ano passado.

De Janeiro a Novembro do ano passado, os emigrantes nos PALOP enviaram para Portugal mais 17,2% do que no total de 2017, uma vez que o valor de 216,48 milhões registado em 2017 já foi ultrapassado pelos 253,74 milhões enviados até ao penúltimo mês do ano passado.

Angola, como habitualmente, é o maior mercado emissor, com 26,7 milhões de euros, o que representa uma subida de 6,3% face aos 25,1 milhões enviados em Novembro de 2017.

Sugerir correcção