Crítica

Uma família alemã em telefilme de luxo

Florian Henckel von Donnersmark tem a alma de um “cineasta de prestígio”, arrumadinho e académico, propenso ao “telefilme de luxo”.

Um filme sem qualquer sinal de personalidade
Fotogaleria
Um filme sem qualquer sinal de personalidade
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Desde As Vidas dos Outros (razoavelmente conseguido filme sobre a vida na RDA) que Florian Henckel von Donnersmark tem tido dificuldade em voltar à mó de cima, fracassada que foi a sua “co-optação” pelo cinema americano (o péssimo O Turista, com Johnny Depp e Angelina Jolie). Ei-lo então de volta à história do século XX alemão, numa obra a que não falta, teoricamente, fôlego: é o nazismo, é a II Guerra, e são as duas Alemanhas do pós-guerra, através do desenvolvimento duma teia familiar cruzada que inclui todo o tipo de gente, de vítimas do nazismo a seus perpetradores, passando por sobreviventes.

Von Donnersmark não é vulcânico como Fassbinder nem é metódico como Edgar Reitz, para mencionar dois cineastas alemães que trabalharam com propósitos e ambições semelhantes. Pelo contrário, tem a alma de um “cineasta de prestígio”, arrumadinho e académico, propenso ao “telefilme de luxo” que é o que Nunca Deixes de Olhar parece ser, interessado até em encontrar a beleza no horror (ver a sequência do bombardeamento de Dresden, cheia de efeitozinhos encantatórios). Mas o filme sofre também com a sua ausência de centro definido, sempre a esvoaçar, a largar personagens e situações que pareciam promissoras mas depois ficam esquecidas e por desenvolver (por exemplo a personagem de Paula Beer, mulher do protagonista, que a certa altura se torna presença meramente decorativa).

Apesar de tudo, ainda é quando o filme tem o foco na História que é mais interessante; quando o perde, e se concentra no percurso artístico do protagonista, esboroa-se completamente, afundado em lugares-comuns sobre a arte e a criação.

Perto do final, fala-se da expressão que dá o título original (“uma obra sem autor”) — não é claro a onde que Donnersmark chegar com isso, talvez a uma metáfora do próprio movimento da História. Mas parece mais uma reivindicação artística, porque Nunca Deixes de Olhar é um filme desprovido de qualquer rasgo, de qualquer sinal de uma personalidade.