Anunciados os seis finalistas da 13.ª edição do Prémio Novos Artistas Fundação EDP

Isabel Madureira Andrade, AnaMary Bilbao, Dealmeida Esilva, Mónica de Miranda, Henrique Pavão e Diana Policarpo são os protagonistas da exposição do prémio a inaugurar em 15 de Maio no MAAT, em Lisboa.

Fotogaleria
AnaMary Bilbao dr
Fotogaleria
são os protagonistas da exposição do prémio a inaugurar em 15 de Maio dr
Fotogaleria
Diana Policarpo dr
Fotogaleria
Henrique Pavão dr
Fotogaleria
Isabel Madureira Andrade dr
Fotogaleria
Mónica de Miranda dr

Os artistas Isabel Madureira Andrade, AnaMary Bilbao, Dealmeida Esilva, Mónica de Miranda, Henrique Pavão e Diana Policarpo são os seis finalistas da 13.ª edição do Prémio Novos Artistas Fundação EDP, foi esta quarta-feira anunciado.

Os artistas são os protagonistas da exposição do prémio a inaugurar em 15 de Maio, no Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa.

Seleccionados pelos três curadores da exposição — Inês Grosso, Sara Antónia Matos e João Silvério —, os seis finalistas provêm de mais de 530 candidatos e vão apresentar obras novas produzidas de propósito para a mostra. O vencedor será escolhido por um júri internacional, no decurso da exposição.

O Prémio Novos Artistas Fundação EDP foi constituído tendo já distinguido criadores como Joana Vasconcelos, Leonor Antunes, Vasco Araújo, Carlos Bunga, João Maria Gusmão e Pedro Paiva, João Leonardo, André Romão, Gabriel Abrantes, Priscila Fernandes, Ana Santos, Mariana Silva e Claire de Santa Coloma.

O galardão é reconhecido como um dos mais significativos no panorama artístico português, e "demonstra a forte aposta da Fundação EDP na descoberta de novos talentos e novas propostas artísticas na arte contemporânea em Portugal".

"A premiação destes artistas e a oportunidade que Fundação EDP oferece de trabalharem de forma orientada por um curador, no contexto de um museu, tem-se revelado fundamental para o início ou reforço de significativas e notáveis carreiras nacionais e internacionais", adiantou a instituição.

A exposição será inaugurada durante a feira internacional de arte contemporânea ARCOlisboa, e ficará patente até Outubro deste ano, na galeria da Central 1, do MAAT.

Isabel Madureira Andrade, formada pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, é natural dos Açores, expôs no Museu Nacional de História Natural e da Ciência, na Casa - Museu Medeiros e Almeida e na Sociedade Nacional de Belas-Artes, em Lisboa, entre outras instituições, e está representada nas colecções da Fundação Portuguesa das Comunicações, da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

A artista luso-espanhola AnaMary Bilbao é doutoranda em Estudos Artísticos - Arte e Mediações, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa, estudou na School of Arts - Birkbeck, da Universidade de Londres e frequentou os cursos de Pintura e Cinema/Imagem em movimento no Ar.Co - Centro de Arte e Comunicação Visual, em Lisboa. O seu trabalho encontra-se representado em colecções como as de António Cachola e Figueiredo Ribeiro. Vive entre Lisboa e Londres.

Nascido em Lisboa, Dealmeida Esilva vive e trabalha actualmente em Zurique e Lisboa e, em 2011, fez parte de uma residência organizada pelo movimento e-flux com o artista Liam Gillick, em Basileia, enquanto a artista visual Mónica de Miranda é investigadora de pós-doutoramento no Centro de Estudos Comparatistas da Universidade de Lisboa. Dealmeida Esilva tem exposto em Portugal, Alemanha, Suíça, República Checa e Filipinas.

Mónica de Miranda é artista visual e investigadora de pós-doutoramento no Centro de Estudos Comparatistas da Universidade de Lisboa, licenciada em Artes Visuais pela Camberwell College of Arts (Londres, 1998). Foi bolseira da Fundação para a Ciência e a Tecnologia. É uma das fundadoras do projecto Hangar. Participou em exposições no Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado, na Bienal de São Tomé e Príncipe, na Paris Foto e na ARCOMadrid, na Carpe Diem e na Fundação Calouste Gulbenkian, entre outras.

Henrique Pavão, formado em Escultura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian e da Royal Academy of Arts de Estocolmo, fez o Mestrado em Artes Visuais na Malmö Art Academy, com o artista dinamarquês Joachim Koester, e expôs na KHM Gallery, em Malmö, na Suécia, onde venceu o prémio Edstrandska Stiftelsens Stipendium. Expôs na galeria Uma Lulik, em Lisboa, com curadoria de Sérgio Mah, na Culturgest Porto, com curadoria de Delfim Sardo. Participou em exposições colectivas como a Anozero'17, da bienal de Coimbra. Vive e trabalha em Lisboa.

A artista visual e compositora Diana Policarpo tem trabalhos de investigação sobre relações de poder, cultura popular e política de género. Estudou música no Conservatório Nacional de Música de Lisboa, licenciou-se em Artes Plásticas na Escola Superior de Arte e Design e tem um mestrado em Artes Visuais (MFA) pelo Goldsmiths College, em Londres.

Expôs em galerias de Leipzig, Londres, Baden-Baden e em mostras colectivas em Lisboa, Porto, Melbourne, New Castle, Nova Iorque, Amesterdão, Oslo, entre outras cidades.

Sugerir correcção