China semeou algodão na Lua

Sonda chinesa Chang’e 4 pousou no lado oculto da Lua com sementes de algodão, colza, batata, ovos de mosca-da-fruta e algumas leveduras. A semente de algodão brotou

Imagem do recipiente especial onde estão as sementes levadas para solo lunar
Foto
Imagem do recipiente especial onde estão as sementes levadas para solo lunar Universidade de CHONGQING/EPA

A missão espacial chinesa que enviou a sonda Chang’e 4 (o nome da deusa chinesa da Lua) para o lado oculto do satélite natural da Terra conseguiu fazer brotar uma semente de algodão em solo lunar. Esta era uma das experiências que estavam previstas para a “mini-biosfera simples” que o módulo espacial carregou até ao lado oculto da Lua, onde aterrou a 3 de Janeiro. O anúncio foi feito pela agência oficial chinesa Xinhua.

A imagem está longe de ser deslumbrante. Os que esperam ver a bonita flor branca de algodão a brotar no solo árido da Lua ficarão certamente decepcionados. O que a fotografia disponibilizada pela Universidade de Chongqing (e divulgada pela agência EPA) mostra é uma espécie de uma grelha branca com gotas e um rasto de um material que parece viscoso à superfície. Esta será a “estufa” especial concebida pelos cientistas da missão chinesa protegida de um ambiente onde as temperaturas podem ultrapassar os 100 graus Celsius durante o dia lunar e cair para 100 graus negativos durante a noite, com forte radiação solar e pouca gravidade.

PÚBLICO -
Foto
Imagem da sonda Chang’e 4 (o nome da deusa chinesa da Lua) no lado oculto do satélite natural da Terra EPA/CNSA

Citado em vários órgãos de comunicação, Xie Gengxin, responsável pela experiência levada a cabo na sonda Chang’e 4, explicou que este recipiente foi feito para ser capaz de manter a temperatura entre um e 30 graus Celsius, permitindo a entrada de luz, água e nutrientes. Trata-se de um pequeno cilindro de alumínio com 18 centímetros de altura e 16 de diâmetro que pesa três quilogramas e que custou mais de dez milhões de yaun (1,29 milhões de euros).

O sucesso da semente de algodão representa a primeira “mini-experiência” de cultivo bem-sucedida da missão chinesa (e de qualquer outra nação, já agora) em solo lunar. Isto logo depois de a China ter sido também o primeiro país a pousar um módulo no lado oculto da Lua, a 3 de Janeiro. A bordo da sonda foram também sementes de colza (uma planta usada no fabrico de óleos), de batata e uma planta com flor muito usada em estudos genéticos (chamada Arabidopsis), ovos de mosca-da-fruta e algumas leveduras. A única semente que germinou até agora neste lugar inóspito foi a semente de algodão.

PÚBLICO -
Foto
Imagem do veículo espacial que a sonda Chang’e 4 levou até ao lado oculto da Lua EPA/CNSA

Mas esta está longe de ser a primeira flor no espaçoAs primeiras plantas floriram no espaço há mais de 30 anos. “Em 1982, a tripulação da estação espacial Saliut-7, pertencente à então União Soviética, cultivou a bordo algumas Arabidopsis. Durante o seu ciclo de vida de 40 dias, elas tornaram-se as primeiras plantas com flor a produzir sementes no espaço em gravidade zero”, lembra o site oficial do Guinness. Na estação russa Mir, entre 1996 e 1997 cultivou-se trigo, obtendo-se flores e sementes. Desde o início da vida da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) que houve investigação em plantas. No seu blogue, o astronauta norte-americano Donald Pettit mostrava em 2012 fotografias de uma flor de girassol durante a sua missão na ISS.

Depois de os astronautas terem feito crescer alfaces na câmara de cultivo Veggie da ISS, que acabaram no estômago de alguns astronautas em Agosto de 2015, o projecto seguinte de jardinagem espacial foi o cultivo de zínias, plantas da família dos girassóis e dos malmequeres, que dão flores muito apreciadas nos jardins.