Perfil

“Às vezes, as pessoas pedem pão de forma. Com côdea? Sem côdea? A gente tem de estar a telefonar"

Quem o vê a circular de bicicleta pela cidade, com a mochila quadrada às costas, não adivinha que já por duas vezes aquele estafeta de 41 anos se sujeitou a um transplante de rim.

Fotogaleria
Fotogaleria

Há quem lhe chame “apanha horas”. Tiago Ferreira mora dentro da área coberta pela plataforma digital de distribuição de entregas Glovo no Porto. Gosta de trabalhar no computador com o telemóvel ao lado. Se outro estafeta liberta horas, pode apanhá-las.

Nunca se imaginou a chegar aos 40 anos a fazer entregas. Cresceu entre Oeiras e Lisboa. Estudou na Escola Técnica de Imagem e Comunicação. Trabalhou em Paris uns anos. Uma namorada puxou-o para o Porto e para a fotografia.

Não correu bem como estava à espera. “No início de 2018, saí de casa da minha ex-companheira e fui viver sozinho”, conta. “Eu nunca precisei de muito para viver, mas os meus rendimentos estavam muito contadinhos. No final de Março, vi um anúncio da Glovo: um rapaz de bicicleta a fazer entregas.” A plataforma estava já a funcionar em Lisboa e dava os primeiros passos no Porto.

Identificou-se com aquela imagem. Adora andar de bicicleta. Começou a pedalar há uns 15 anos, quando pouca gente se atrevia a fazê-lo. Tem bicicleta eléctrica. Não fosse assim, não aguentava tantas subidas e descidas. “Faço mais de 300 quilómetros de bicicleta por semana. Faço tudo de bicicleta.”

Quem o vê a circular de bicicleta pela cidade, com a mochila quadrada às costas, não adivinha que já por duas vezes aquele estafeta de 41 anos se sujeitou a um transplante de rim. O último em 2016. “Sou insuficiente renal de nascença.”

Parece pronto para tudo. Quando se liga à aplicação, nunca sabe o que lhe vai calhar em sorte. Tanto lhe podem pedir que vá buscar o jantar a alguém, como um medicamento a uma farmácia, um documento a um escritório, um vestido a uma loja, um pacote de esparguete a um supermercado. Oito quilos é o limite.

Muitos estafetas não gostam de responder a pedidos de supermercado. “Um pedido de supermercado é sempre mais demorado porque é preciso andar à procura do que a pessoa pediu e não sabemos onde está.” Nem sempre os pedidos são muito claros. “Às vezes, as pessoas pedem iogurtes. Que iogurtes? Naturais? Com sabores? Às vezes, as pessoas pedem pão de forma. Que pão de forma? Com côdea? Sem côdea? A gente tem de estar a telefonar.”

Já lhe aconteceu ir a um supermercado comprar uma lima. Olhou para o pedido e pensou: “Isto foi engano.” Seria mesmo uma só lima, ou um quilo de limas? Ligou à cliente. “Não, não. É só uma lima que eu esqueci no mercado.” E lá foi ele. “Escolhi a lima mais rechonchudinha que encontrei e fui entregá-la. A lima custou 35 cêntimos. A entrega ficou-lhe por cinco euros. A pessoa ficou contente. Não estava a pagar a lima. Estava a pagar o conforto de ter alguém a trazer a lima de que ela precisava.”

“Há meses de tirar 600 euros”, revela. Nos meses de chuva, há mais trabalho. Nos meses de sol, pode ser o desastre. “Em Agosto foi mesmo mau. Havia poucos pedidos. Muita gente de férias.” Junta esse dinheiro ao que vai fazendo com trabalhos de fotografia e de som.

Ninguém lhe ouve uma crítica à plataforma digital. “Gosto muito disto. Nunca stressei muito. Quase tudo se trata por email. Se não me chatear, ninguém me chateia. Isto dá o mesmo dinheiro se a pessoa se chatear ou se a pessoa não se chatear. É ir fazendo. É deixar andar. Se há pedidos, há. Se não há pedidos, não há.”