Eça de Queiroz. “Ilustre Casa de Ramires” está a venda e inclui casario e torre medieval

A propriedade em Resende que serviu de inspiração à obra A Ilustre Casa de Ramires de Eça de Queiroz vale menos de um milhão de euros. Família proprietária há mais de quatro séculos espera que os futuros donos dignifiquem património histórico e arquitectónico.

Fotogaleria
Casa da Torre da Lagariça ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
Casa da Torre da Lagariça ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
Casa da Torre da Lagariça ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
Casa da Torre da Lagariça ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
Casa da Torre da Lagariça ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
Casa da Torre da Lagariça ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
Casa da Torre da Lagariça ADRIANO MIRANDA
Fotogaleria
Casa da Torre da Lagariça ADRIANO MIRANDA

A “Ilustre Casa de Ramires” está à venda. A Casa da Torre da Lagariça, em Resende, e que serviu de inspiração ao romance de Eça de Queiroz, custa 990 mil euros. Os actuais proprietários, para quem a decisão de colocar o imóvel à venda “não foi fácil”, desejam ver a casa com uma função que dignifique a sua herança histórica.

“Gostava que ela tivesse o esplendor que teve. O estado em que está magoa-me imenso”, confessou ao PÚBLICO Miguel Cochofel da família à qual a Casa da Torre pertence há mais de quatro séculos.

Depois de várias tentativas para tentar recuperar o imóvel que está em elevado estado de degradação, o proprietário admitiu que a venda foi o “único” caminho possível” para a família constituída por mais herdeiros. “Não é fácil. É um sentimento de perda muito grande. Assim foi quando foi tomada a decisão, mais é agora quando a vemos anunciada”, contou.

A casa, localizada na freguesia de S. Cipriano, juntamente com a quinta, está publicitada online numa imobiliária. Além das fotografias, o anúncio conta a história do imóvel, cuja torre começou a ser construída no século XII e que serviu de posto de vigia e prisão. Mais tarde, já no século XVI, foi construído o casario à volta. Os jardins e a mata também estão incluídos na venda.

A família tentou manter o património na sua posse mas, apesar das tentativas, nomeadamente com propostas apresentadas à autarquia de Resende, a única opção foi a venda. “Isto tem um grande potencial turístico. Tanto serve para uma unidade de alojamento, como para um museu ou uma fundação. O que eu gostava é que a sua herança histórica e arquitectónica fossem salvaguardadas”, pediu Miguel Cochofel.

O imóvel está classificado como de interesse público desde 1977, pelo que qualquer intervenção terá de ser feita com acompanhamento por parte da autoridade competente na gestão patrimonial.

O presidente da Câmara de Resende, Garcez Trindade, também concorda que a história da “Ilustre Casa” deve ser dignificada, mas terá de ser com a “ajuda de privados” porque a autarquia não tem dinheiro. “Mesmo até com recurso a alguma candidatura aos fundos comunitários não vejo como fosse possível”, disse. O autarca frisou ainda que o património não vai sair do concelho e espera que os novos proprietários queiram investir e valorizar a casa do ponto de vista cultural. “A autarquia pode vir a ser parceira”, disponibilizou-se.

Resende e Eça de Queiroz

Se para o herdeiro Miguel Cochofel os bons momentos que passou nos cantos e recantos da propriedade vão deixar saudades, quem vê a casa a cair também quer que ela volte a ser grandiosa e sirva de inspiração como serviu a Eça de Queiroz.

Apesar de no livro A Ilustre Casa de Ramires não existirem referências directas à Casa da Torre da Lagariça, investigadores e historiadores não têm dúvidas em apontar as coincidências geográficas e toponímicas da obra e dos lugares em Resende. O padre Joaquim Correia Duarte, membro da Academia de História, nas suas várias monografias sobre a história do concelho, defende mesmo que “Resende acaba por ser cenário principal ou secundário de quatro das obras mais importantes” do escritor.

No caso específico da “Ilustre Casa de Ramires”, o historiador aponta que à volta da Casa da Lagariça existe o lugar e a freguesia de Ramires; a “Igrejinha e Mosteiro de Craquede” com os túmulos graníticos referenciados na obra são, na verdade, o Mosteiro de Cárquere que tem quatro túmulos; e que o próprio Gonçalo Mendes Ramires foi intitulado de “Fidalgo da Torre” por causa da edificação medieval da Lagariça. O Crime do Padre Amaro, Os Maias e A Cidade e as Serras são outros livros de Eça de Queiroz cujo universo está ligado a esta região do Douro, defendem os investigadores.

A verdade é que quem comprar a “Ilustre Casa” fica com uma propriedade brasonada que foi atribuída à família Pintos, uma das mais antigas de Portugal, à qual, mais tarde, por casamento, se juntou a família Cochofel. Fica com um imóvel que foi classificado em 1977 de interesse público, tem 20 assoalhadas, uma torre medieval, jardins, vista para a serra e a “herança” do “Fidalgo da Torre” que um dia foi eleito deputado mas acabou por fugir da “hipocrisia”.