Rui Vitória diz que não foi devidamente protegido no Benfica

O antigo treinador dos "encarnados" deu uma entrevista à TVI na qual confessou ter sentido alguma falta de apoio por parte da direcção benfiquista.

Rui Vitória
Foto
Rui Vitória LUSA/MANUEL DE ALMEIDA

Rui Vitória sentiu-se pouco protegido nos seus últimos tempos de Benfica e sai do clube algo "magoado" com determinados momentos que viveu no emblema da Luz, onde foi treinador principal da equipa de futebol até há cerca de duas semanas e durante três anos e meio.

"Senti-me, de uma forma genérica, apoiado pela direcção. Numa fase inicial sim, nesta parte final nem tanto. Senti-me, em determinados momentos, mais sozinho. A certa altura o Rui Vitória estava a responder a determinados aspectos que poderiam ser evitados", desabafou o ex-técnico das "águias" numa entrevista que concedeu neste sábado à TVI, na véspera de viajar para a Arábia Saudita, onde vai treinar o Al-Nassr.

Dando a entender que a decisão de deixar o clube foi tomada conjuntamente com o presidente Luís Filipe Vieira, Rui Vitória culpou o "desgaste" pela sua saída. "Quando muitos não querem um homem sozinho não consegue. É importante que o treinador do Benfica seja protegido", referiu um pouco depois, acrescentando que o desgaste a que se estava a referir "não era personalizado, era generalizado".

Questionado sobre se deixava o Benfica magoado, Vitória não escondeu algum desapontamento: "O benfiquista habituou-se a ganhar, tem menos tolerância e qualquer percalço não é bem entendido. Não saí magoado com o Benfica. Saí magoado, em determinados momentos, porque entendi que devia haver mais tolerância em certos aspectos." Já em relação à sua relação com Filipe Vieira, Vitória assegurou que é "óptima".

Sobre reforços, o ex-treinador dos benfiquistas deixou também no ar a ideia de que não chegaram à Luz todos os futebolistas que indicou. "Tive alguma quota-parte na vinda dos jogadores que estão no Benfica, mas se me perguntar se havia outros jogadores que quereria é uma verdade", declarou.

Sobre o seu futuro, Rui Vitória mostrou-se entusiasmado com o desafio no Al-Nassr. "É uma oportunidade de estar novamente no activo, de estar a trabalhar e as pessoas tiveram uma grande vontade para que eu fosse treinar o Al-Nassr. Não tenho como objectivo previamente definido treinar aqui ou ali. Sou um treinador que vai para qualquer lado", esclareceu antes de confirmar um acordo de um ano e meio com mais dois de opção com os sauditas.

Rui Vitória fez ainda questão de deixar claro que sai do Benfica com obra feita. "Em relação ao Benfica correu muita coisa bem e ao fim de três anos e meio e essas coisas devem prevalecer neste momento", referindo-se, nomeadamente, aos títulos, à valorização de jogadores e à aposta nos jovens da formação.

Por fim, questionado sobre as capacidades de Bruno Lage de lhe suceder e liderar os "encarnados", Rui Vitória reconheceu-lhe "qualidade". Disse mesmo que a sua escolha para o cargo de treinador é "a solução lógica, nesta altura". Mas voltou a frisar, em jeito de alerta: "Espero que alguns erros que foram cometidos comigo não voltem a ser cometidos. Deve haver protecção ao treinador."