Câmara do Porto fará intervenção em 207 árvores da rotunda da Boavista

A passagem pedonal e circulação viária na rotunda estarão condicionadas durante a intervenção, que se estima ter a duração de 14 dias.

Foto
PP PAULO PIMENTA

Mais de 200 árvores (entre elas três em risco de queda) vão ser intervencionadas numa operação que vai durar cerca de 14 dias e que vai limitar a circulação na rotunda da Boavista, no Porto.

Segundo a página oficial da Câmara do Porto, “do acervo arbóreo da ‘rotunda da Boavista’ [Praça de Mouzinho de Albuquerque], serão trabalhados 207 exemplares, dos quais se destacam 204 para criteriosa poda de manutenção e segurança, e os restantes três que se encontram em condição de elevada fragilidade e consequente risco de queda”.

No texto publicado esta sexta-feira, a autarquia explica que o abate destas três árvores – um carvalho-americano e dois liquidâmbares – é “inevitável”, dada a “muito fraca condição biomecânica, consequente de fortes processos de decomposição da madeira, agora bem visíveis por extensas e activas cavidades, tanto ao nível do alto tronco, copa e colo, como do sistema radicular”.

A escala e especificidade de trabalho a realizar e o porte e localização das árvores obrigam, de acordo com o município, “a uma intervenção com a duração estimada de 14 dias” que terá impacto sobre a utilização do espaço, quer em termos de passagem pedonal, quer de circulação viária na rotunda, pelo menos até ao dia 27 de Janeiro, data em que está previsto o fim dos trabalhos.

“A decisão de intervir resulta do processo de monitorização e manutenção do arvoredo municipal que, após avaliações técnicas efectuadas recentemente, destacou a necessidade de actuação criteriosa em todos os exemplares arbóreos daquela praça”, lê-se na página oficial da autarquia.

Com esta intervenção, que tem início previsto para a próxima segunda-feira, pretende-se “potenciar a qualidade e segurança dos exemplares, não só incrementando as condições de desenvolvimento, mas também minimizando os elementos actualmente reconhecidos como podendo representar risco e perigo para pessoas e bens”.