Pela primeira vez em 30 anos, os Óscares não vão ter apresentador

Sem substituto para Kevin Hart à vista, os produtores da maior noite do cinema deverão optar por números musicais e pelas tradicionais apresentações de categorias.

Foto
LUCY NICHOLSON

A cerimónia de atribuição dos Óscares da Academia não deverá ter um apresentador principal em 2019, um cenário que já não acontecia há quase 30 anos. Segundo a revista norte-americana Variety, que cita fontes próximas da organização, haverá apenas as habituais apresentações de cada categoria, conduzidas por actores e outras celebridades. 

A decisão, rara, segue-se à desistência do comediante Kevin Hart, que renunciou ao convite para apresentar a cerimónia após a polémica em torno de uma série de tweetscom piadas de teor homofóbico publicados pelo actor entre 2009 e 2011, e entretanto recuperados, com piadas de teor homofóbico. Hart pediu desculpa pelos comentários e não foi afastado da cerimónia, mas tomou a iniciativa de não participar no evento. 

Segundo a Variety, os produtores do espectáculo, Donna Gigliotti e Glenn Weiss, avançam agora com um formato diferente que continuará a manter sketches humorísticos e números musicais protagonizados, provavelmente, por estrelas nomeadas para prémios da área da música como, antecipa-se (as nomeações só serão anunciadas a 22 de Janeiro) Lady Gaga, Dolly Parton e Kendrick Lamar

Já de acordo com o jornal britânico The Guardian, para as duplas de apresentadores de categorias estão convocados actores da saga Vingadores como Robert Downey Jr., Chris Evans, Mark Ruffalo, Jeremy Renner e Samuel L Jackson.​ A ABC, canal que transmite a cerimónia dos Óscares nos Estados Unidos, é propriedade da Disney, tal como a Marvel, produtora daquela saga cinematográfica. 

A última vez que a cerimónia se libertou do habitual modelo de apresentação foi em 1989, ano em que o produtor Allan Carr e o director Jeff Margolis substituíram o monólogo de abertura por um número musical. O formato foi muito criticado na altura e acabaria por ficar conhecido como "os 11 minutos que arruinaram a carreira de Allan Carr". 

Caso apresentasse a cerimónia este ano, Kevin Hart sucederia a Jimmy Kimmel (2017 e 2018), Chris Rock (2005 e 2016), Neil Patrick Harris (2015), Ellen DeGeneres (2007 e 2014), Seth MacFarlane (2013), Billy Crystal (2012 e oito outras vezes), à dupla Anne Hathaway e James Franco (2011) e a Alec Baldwin (2010).