Terras Sem Sombra, um festival que viaja no tempo e no espaço

A 15.ª edição do festival alentejano que une música, património e biodiversidade tem os Estados Unidos como país convidado e estende-se a Espanha. Começa este mês e encerrará em Julho com um concerto do Kronos Quartet.

Foto
As vozes do Spelman College Glee Club serão as protagonistas do concerto de abertura do festival, dia 26 de Janeiro, em Vila de Frades DR

É verdade que o Terras Sem Sombra sempre se fez de viagem. “Uma viagem no tempo e no espaço”, como dirá o director artístico Juan Angel Vela del Campo. “Uma viagem interior”, acrescentará nesta manhã de quinta-feira, durante a apresentação da 15.ª edição do festival na Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (os Estados Unidos sucedem à Hungria como país convidado), o director-geral José António Falcão, dando o exemplo dos místicos que viajam sentados na sua cela.

O Terras Sem Sombra, festival que se espalha pelo território alentejano (e que, este ano, se estende além dele) para unir música, património e biodiversidade, inicia este mês a sua edição 2019. De Janeiro a Julho, ouvir-se-á todo um mundo de sons, do século XV ao século XXI. Descobrir-se-ão o património material (a villa romana do Monte da Chaminé; a arte popular e a arte contemporânea que convivem em Elvas) e o património imaterial (uma oficina de cante em Serpa, os segredos do pão tradicional da Vidigueira). Mergulhar-se-á na paisagem, seguindo a rota dos pastores em Beja, e observar-se-ão as constelações no cristalino céu nocturno de Barrancos, enquanto se revelam as lendas locais a elas associadas.

É verdade que o Terras Sem Sombra sempre se fez de viagem, mas nesta que será a sua 15.ª edição, na qual se celebram os 550 anos do nascimento do sineense Vasco da Gama e os 500 anos da viagem de circum-navegação de Fernão de Magalhães, isso será mais evidente do que nunca. Sobre a Terra, Sobre o Mar – Viagem e Viagens na Música é o mote. Alargando-se na terra, o Terras Sem Sombra passa a fronteira e chega a Espanha, mais propriamente a Valência de Alcântara e a Olivença, localidades a que levará concertos e outras actividades. Atravessando o Atlântico, chegará ao Alentejo o país convidado, os Estados Unidos da América, ao qual caberão as honras de abertura do Terras Sem Sombra, a 26 de Janeiro, na Igreja Matriz de São Cucufate, em Vila de Frades, com o concerto das vozes femininas do Spelman College Glee Club, do estado da Geórgia – e de onde virá o consagrado Kronos Quartet para protagonizar o concerto de encerramento, dia 6 de Julho, no Castelo de Sines.

Será “uma viagem pelo Alentejo, que é uma viagem pelo mundo”, resumirá então o ensaísta e crítico musical espanhol Juan Angel Vela del Campo, director artístico do festival desde 2015. Prova-o um programa musical onde, além da presença portuguesa, que integra, por exemplo, a Orquestra Clássica do Sul, sob direcção de Rui Pinheiro (9 de Março, Valência de Alcântara) ou o curioso concerto em que a pianista Ana Telles se juntará a João Eduardo Rabaça, coordenador do Laboratório de Ornitologia da Universidade de Évora (9 de Fevereiro, Serpa), encontramos o ensemble de câmara Trío Arbós, vindo de Espanha (23 de Fevereiro, Monsaraz), o Ceskoslovenské Komorní Duo, da República Checa (22 de Junho, Santiago do Cacém), a soprano filipina Manila Adap (4 de Maio, Cuba), o americano Delphi Trio (6 de Abril, Beja), o organista espanhol Juan de La Rubia (27 de Abril, Elvas) ou o combo húngaro liderado por Ferenc Snétberger (11 de Maio, Ferreira do Alentejo).

Reforça essa ideia de festival em viagem o facto de, ainda antes do início oficial do festival, o Terras Sem Sombra viajar literalmente. Este fim-de-semana, o Rancho de Cantadores da Aldeia Nova de São Bento, emblemático grupo de cante alentejano, voa até Washington para apresentar o festival em território americano – actuará no domingo no palco Millennium do histórico Kennedy Center.

Pensando na viagem, e tendo em conta a extensão do festival a território espanhol, José António Falcão declarava ao PÚBLICO, no final da apresentação desta manhã: “Creio que o facto de comemorarmos as figuras de Fernão de Magalhães e de Vasco da Gama nos deu coragem para procurar outros horizontes. Temos de sair do nosso pequeno triângulo e encontrar uma vocação mais global. Isso passa muito por encontrar parceiros e criar redes, mas também”, sublinha, “por mobilizar no nosso território aquilo que ele tem de mais interessante, sobretudo na dinâmica da sociedade civil”.

Analisando o impacto do Terras Sem Sombra no seu espaço natural, o Alentejo, o director-geral do festival refere o efeito social e económico que este tem, através das “dormidas, refeições e no próprio abastecimento de produtos locais”. Refere as igrejas, palco privilegiado nos primeiros anos, “que têm tido obras de conservação e se têm conseguido manter abertas”, e, no âmbito da biodiversidade, “o acompanhamento dos rios e serras que o festival tem apadrinhado”. Acentua que, apesar das datas que delimitam cada edição, estamos perante um “trabalho permanente”: “Não é uma coisa que morra ali, como um flor que abre apenas durante um dia.” Ou seja, é uma viagem contínua, mês a mês, ano após ano, e que, em 2019, se propõe alcançar mais longe ainda.