Dirigente do PSD: "críticas" de Marques Mendes "às vezes são completamente despropositadas"

Adão Silva desafia críticos do líder a darem a cara na entrevista PÚBLICO/Rádio Renascença desta quinta-feira.

Foto
Rui Gaudêncio

O dirigente do PSD Adão Silva, convidado da edição desta quinta-feira do programa “Hora da Verdade”, uma parceria PÚBLICO/Rádio Renascença, defendeu que Rui Rio “tem uma situação muito confortável do ponto de vista democrático, que é legitimidade” e desafiou os críticos do líder do PSD que estão a tentar recolher apoios para um congresso extraordinário a darem a cara. 

“Num partido democrático em que tudo deve ser jogado numa lógica de transparência, em que as pessoas devem dar a cara, a minha pergunta é quem são as tais pessoas? Venham daí os nomes das pessoas”, disse.

Para Adão Silva, “do ponto de vista democrático é intolerável” as pessoas que estão a tentar a destituição do líder “não darem a cara”: “Diria que é uma péssimo começo democrático. Para não dizer que é à partida um nado morto”.

Sobre as críticas internas a Rio, o vice-presidente do PSD lembrou que Durão Barroso, durante o tempo que foi líder do PSD, também foi “sujeito a críticas violentíssimas” e que, depois disso, foi primeiro-ministro e depois presidente da Comissão Europeia.

Interrogado sobre se Marques Mendes,  o ex-presidente do PSD e agora comentador político, lidera as críticas internas, Adão Silva disse: “Não sei se lidera, mas que as críticas do dr. Marques Mendes muitas vezes são completamente despropositadas, são”

A entrevista completa pode ser ouvida esta quinta-feira às 12h na Rádio Renascença e lida no PÚBLICO