Autoridades moçambicanas acusam empresário sul-africano de ataques no Norte

Andre Hanekom, 60 anos, seria o "financiador e coordenador" de ataques com o objectivo de "criar instabilidade" e "impedir a produção de gás natural" em Cabo Delgado.

Mercado dos pescadores em Mocímboa da Praia, cidade que ficou sitiada durante dois dias após um ataque em Outubro de 2017
Foto
Mercado dos pescadores em Mocímboa da Praia, cidade que ficou sitiada durante dois dias após um ataque em Outubro de 2017 LUIS FONSECA/LUSA

O Ministério Público (MP) de Moçambique apontou como "financiador, organizador e coordenador” de uma onda de ataques no Norte do país um empresário sul-africano, Andre Hanekom, e confirmou que o objectivo dos ataques, que têm sido imputados a grupos islamistas, era "criar instabilidade e impedir a exploração de gás natural na província" de Cabo Delgado, a cerca de 2000 km a norte de Maputo, no extremo norte de Moçambique, junto à Tanzânia.

O MP juntou Hanekom e ainda quatro outros nomes a uma lista de cerca de 200 pessoas acusadas já por esta onda de ataques, que começou em Outubro de 2017.

"Os co-arguidos e seus comparsas pretendiam pelas suas acções armadas criar instabilidade e impedir a exploração de gás natural em Palma, para posteriormente criarem um Estado independente que anexe distritos da região de Cabo Delgado e a região Sul da Tanzânia”, diz a acusação do MP, a que a agência Lusa teve acesso. Hanekom é dono da marina de Palma.

Segundo o documento, o grupo, composto também por cidadãos da Tanzânia, possuía um total de cinco bases militares distribuídas pelo posto administrativo de Mpundanhar, distrito de Palma, e nas aldeias de Lilembo e Muangaza, no distrito de Mocímboa da Praia.

Andre Hanekom, prossegue a acusação, era quem pagava aos membros do grupo um valor mensal de dez mil meticais (142 euros), e fornecia-lhes também medicamentos.

Sobre o grupo pesam sete acusações, ainda segundo o documento: “homicídio qualificado, crimes hediondos, posse de armas proibidas, associação criminosa e contra a organização do Estado, instigação ou provocação à desobediência colectiva e perturbação da ordem e seguranças públicas”.

O Ministério Público pede ainda que os acusados se mantenham presos “por receio de fuga e de continuação de actividades criminosas".

A acusação indica ainda que as autoridades apreenderam vários instrumentos de crime na casa de Andre Hanekom em Palma, entre os quais catanas, frascos de pólvora, arcos e flechas e 12 foguetes.

A onda de violência naquela zona começou após um ataque armado a postos de polícia de Mocímboa da Praia, em Outubro de 2017. Seguiram-se dezenas de ataques que se suspeita estarem relacionados com o mesmo grupo, que seria formado por extremistas islâmicos.

De acordo com números oficiais, cerca de cem pessoas, entre residentes, supostos agressores e elementos das forças de segurança, morreram desde o início da onda de violência.

HRW denuncia abusos

No início do mês de Dezembro, a organização não-governamental Human Rights Watch denunciou novas suspeitas de execuções sumárias e abusos das autoridades de Moçambique contra os alegados autores destes ataques.

A Lusa contactou a mulher de Andre Hanekom, Francis Hanekom, que considerou as acusações "totalmente falsas" e disse que o seu marido está preso ilegalmente numa base militar em Cabo Delgado.

A mulher critica as autoridades moçambicanas e ainda sul-africanas por um alegado desinteresse, e no Facebook aludiu a um motivo por trás da acusação: que haveria pessoas “influentes” com “interesse em ficar com a propriedade na praia” do sul-africano a viver há 26 anos em Moçambique.

Andre Hanekom foi raptado no Verão, por homens encapuzados vestindo uniformes militares, depois de terem circulado rumores de que o empresário poderia ser o mandante de ataques armados – algo que a mulher recusava ter algum fundamento. 

Foi levado num jipe, e apareceu depois com ferimentos num hospital. Quando teve alta foi detido por suspeitas de terrorismo. A sua mulher alega ainda que a busca a casa foi feita semanas depois da detenção.

Da África do Sul, o gabinete da ministra dos Negócios Estrangeiros Lindiwe Sisulu reagiu à acusação, através de porta-voz, afirmando que “os sul-africanos não podem ser as pessoas envolvidas em actividades como estas”, ou seja, de desestabilizar Estados democráticos, cita o jornal sul-africano The Herald. “A ministra está em contacto com o alto comissariado em Moçambique para indicar às autoridades que estamos a analisar alegações que há pessoas na África do Sul a ajudar o sr. Hanekom.”  

Mas no mesmo jornal a analista Jasmine Opperman, do Africa Terrorism Research and Analysis Consortium, questionava o motivo de Hanekom: “Dar armas intencionalmente para desestabilizar a região não serviria os seus interesses”, alegou. “Poderia estar envolvido de modo não intencional? Vamos ter de aguardar as provas em tribunal”, declarou.